Monoparentais comentários

Tendo em conta um estudo efectuado pelas investigadoras Karin Wall e Cristina Lobo (1999) sobre as famílias monoparentais, inclui-se um conjunto de variaveis-chave que importa distinguir, (como sexo, estado civil, a idade, o numero de filhos e o nível de instrução), para compreensão da diversidade entre estas famílias. As famílias monoparentais têm alguns benefícios em termos de apoios na Segurança Social. Por exemplo, no caso do subsídio de desemprego, o valor a atribuir a uma mãe ou um pai que viva sozinho com os seus filhos é majorado em 10%. Agregados Monoparentais• Dados recentes da PORDATA e do INE apontam que em Portugal, há cerca de 53 mil homens que criam sozinhos os seus filhos. 23. Agregados Monoparentais• Dados recentes do IBGE mostram que de todos os tipos de famílias a monoparentalidad e masculina atinge os 3,3% do total, a feminina os 52,9%. 24. Sem dúvida, não é igual quem constitui uma família monoparental como projeto de vida, que quem em uma segunda instância, acaba como chefe de uma família monoparental, como consequência dos acontecimentos da vida, tais como o divórcio, a viuvez ou o fim do relacionamento.. Em qualquer caso, as famílias monoparentais representam uma realidade diferente das famílias tradicionais. Famílias monoparentais: Dating. Há mães solteiras lá fora que estão com medo de ter a chance de amar novamente. E 'porque eles ainda estão em processo em que eles ainda estão confusos e não está pronto para entrar em um novo relacionamento, porque eles têm medo de que a relação pode falhar novamente. Sites como estes muitas vezes oferecem monoparentais e viagens de família monoparentais que são voltadas apenas para você! Você vai encontrar pacotes em lugares únicos pais de todo o mundo, lugares como a Grécia e as ilhas Turks e Caicos e tudo a um preço que é apropriado para as famílias monoparentais! O apoio do governo para as famílias monoparentais, é apenas para aqueles em uma família de baixa renda. E 'mesmo para aqueles que são absolutamente únicos, ou seja, você precisa ter uma criança com uma pessoa não está mais em torno de mais de um ano, desde divorciados, viúvos, outro pai da criança está preso, ou em alguns casos, ser ...

Desigualdade de rendimentos, pobreza e Família: Um porta para o discurso

2020.05.28 01:55 aquele_inconveniente Desigualdade de rendimentos, pobreza e Família: Um porta para o discurso

Desigualdade de rendimentos, pobreza e Família: Um porta para o discurso

https://preview.redd.it/rf7q83ihae151.png?width=543&format=png&auto=webp&s=31cc44f5ebc43527f6d42d7025cf5614fed32390
Gostei muito da reacção ao meu último artigo sobre a falta de convergência económica Portuguesa com o mundo desenvolvido. Vi alto civismo, troca de ideias, e até acordo entre pessoas de ideologia diferentes. Espero que este texto seja brindado pelo mesmo e tentarei, quanto possível, voltar a ser neutro e não enviesado na apresentação
  • Parte 1 - A evolução da pobreza e desigualdade social em Portugal
  • Parte 2 - A degradação da instituição Família em Portugal
  • Parte 3 - O caso para um esforço conjunto de conservadores e socialistas para solucionarem o problema
Ao longo das últimas décadas existem, entre outras tendências, duas que acho de particular relevância: O foco crescente do diálogo político em temas redistributivos e a degradação da instituição familiar. Creio que estes temas estão intimamente relacionados

Parte 1 - A evolução da pobreza e desigualdade social em Portugal

Existe na sociedade Portuguesa a ideia de que o poder de compra tem evoluído bastante e exceptuando situações pontuais, como a crise financeira, numa trajectória de constante melhoria. A dura realidade é um pouco diferente:

Figura 1
Olhando para os trabalhadores por conta de outrem (o grosso da população e normalmente associado à classe trabalhadora) vemos que quando ajustado à inflacção, o aumento do ganho médio é incrivelmente baixo. Em 33 anos (1985-2018), houve um aumento de 22%. No mesmo período, o PIB per capita português (ajustado à inflação) aumentou 97%. Ou seja, apesar da geração de riqueza do país ter quase duplicado, os ganhos dos trabalhadores não reflectiram esse aumento
Mas existe um problema adicional. As exigências de gastos e de nível de vida em 1985 eram muito diferentes do que em 2018. Hoje em dia, além das necessidades básicas que no passado se verificavam (alimentação, água, energia, transportes) acrescem-se hoje as telecomunicações e o acesso a informação digital. Se uma torradeira pode ser considerado um bem não essencial quer em 1985 quer em 2018, um computador pessoal é hoje um bem essencial. O acesso à internet é outro exemplo. Um indivíduo sem acesso está hoje limitado no acesso a serviços públicos e à informação.
Ou seja, ainda que possa ter havido um ligeiro aumento de 22%, este valor sobrestima a qualidade de vida dos trabalhadores, pois esconde a alteração das necessidades da sociedade.
Uma outra forma de ver isto é com o peso dos salários no PIB:

Figura 2
A evolução é consistente com o que vimos no quadro anterior. Os salários têm representado um peso cada vez menor do PIB, por oposição aos lucros das empresas. É também interessante que essa tendência se inverteu no pós-revolução. Até 1973 vemos um aumento gradual do peso dos salários no PIB (o que significa que a cada ano que passa, os trabalhadores têm direito a uma fatia maior da riqueza gerada). Entre 1974 e 1975 (cor rosa) vemos também o efeito redistributivo da revolução. Os trabalhadores conseguem nesses anos um aumento substancial da sua fatia no PIB. Infelizmente, de 1975 para a frente a tendência é invertida, com os detentores de capital a terem uma fatia maior e os trabalhadores a diminuir. Após a entrada para a União europeia (cor azul) esta tendência diminui mas não desaparece.
Aquilo que acho interessante neste gráfico é que mostra o porquê da nossa sociedade de hoje estar tão preocupada com redistribuição. Ao mesmo tempo também mostra o porquê de tantos acusarem o regime actual (de influência socialista) de não servir o povo. Citando um utilizador que comentou no meu outro artigo, u/Josepedro19, não se deve ver uma ideia política pelas suas intenções mas pelos seus resultados.
Outros autores têm chegado às mesma conclusões com análises bem mais detalhadas (mas mais maçudas para um fórum como o reddit):
The decrease in income concentration, started very moderately at the end of the 1960s and which accelerated after the revolution of 1974, began to be reversed during the first half of the 1980s. During the last 15 years top income shares have increased steadily.
https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0014498309000205
Aliás, tudo isto termina na falta de capacidade de poupar, algo que será relevante para a parte 2:

Figura 3
Para se compreender o gráfico, é importante entender o conceito de rendimento disponível. Este valor é a soma de todos os rendimentos, incluindo subsídios e apoios estatais, mas removendo todos os impostos e taxas. Ou seja, se alguém tinha um salário de 1100€, apoios do governo de 100€, pagava em taxas e impostos 200€, e poupava 200€, então tem um rendimento disponível de 1000€ e uma taxa de poupança de 20%. Se o estado lhe aumentasse os impostos, mas os devolvesse (em saúde pública, etc) de forma ao trabalhador não ter de tocar na sua poupança, a taxa de poupança aumentaria, pois o rendimento disponível era menor e o rácio maior. O que vemos é o inverso disto e novamente em linha com o que se apresentou antes. Os trabalhadores portugueses têm visto a sua poupança diminuir significativamente ao longo das últimas década apesar de terem mais serviços públicos que deveriam colmatar gastos que os trabalhadores tinham. Fazendo-me questionar se os impostos que pagam dão um retorno equivalente ao montante que é pago pelos trabalhadores.
Um efeito que contudo não é observável neste último gráfico é se a poupança se deve apenas à incapacidade de poupar, ou à decisão de poupar. A facilidade e acesso crédito faz com que seja hoje mais simples adquirir um carro sem ter de se poupar para ele e certamente diminui a taxa de poupança.
Para estarmos mais cientes do que está por detrás desta taxa de poupança podemos fazer um pequeno exercício ilustrativo. Em Portugal, 72% dos agregados familiares auferem menos que 19 mil euros ao ano.
Uma família com pai e mãe a ganharem ambos o salário mínimo ganha 17780€ ao ano. Se deduzirmos a esse salário as despensas para vida minimamente aceitável nos dia de hoje obtemos o seguinte:

Figura 4
Esta taxa de poupança ilustrativa (6%) coincide com os níveis que vimos no Figura 3. De qualquer das formas, sendo que o crédito ao consumo e escolha de crédito/poupança tem com certeza efeito deixo ao critério do leitor inferir a dimensão do efeito do poder de compra na taxa de poupança.
Como conclusão desta parte sai o seguinte:
  • O nível de vida em Portugal, para uma grande parte da população, não tem acompanhado a evolução económica do país
  • A desigualdade económica diminuiu até ao final dos anos 70 (tendo tido um pico no pós-revolução) e aumentado consistentemente dos anos 80 até hoje.
  • As exigências financeiras e os níveis de rendimento não permitem à grande maioria dos portuguesas ter poupanças e um nível de vida aceitável

Parte 2 - A degradação da instituição Família

Se o aumento da desigualdade (que mesmo sem dados é perceptível pelo cidadão comum) tem tido um particular efeito a moldar a mente da esquerda Portuguesa, o desaparecimento da Família, nos moldes tradicionais, tem afectado a mente dos conservadores.

Figura 5
Ao longo das últimas décadas vemos a cada ano que passa menos portugueses a casar e ao mesmo tempo um aumento gigante no número de divórcios.
Hoje em dia, o normal é o não casar e se casar, o normal é divorciar-se. O juízo de valor deste novo normal dependerá obviamente das ideologias de cada um, mas ainda assim é preciso reconhecer o quão dramática foi esta a alteração social. A Família tem sido a unidade básica na sociedade ocidental e aquela que em muitos casos é responsável por evitar injustiças sociais. Na ausência de um Estado para ajudar o indivíduo em todas as ocasiões, a Família existe e apoia, dentro do possível, os infortúnios dos seus membros. Dar guarida a um primo ou irmão quando ele ficou sem casa, apoiar financeiramente o filho ou a esposa quando ficaram sem trabalho.
O outro lado da desagregação familiar tem a ver com a criação das gerações futuras.

Figura 6
A fertilidade caiu a pique até meados dos anos 80, tendo estagnado em valores que não são suficientes para manutenção da população.

Figura 7
Por outro lado, número de filhos fora de casamento tem vindo a a aumentar em proporção aos dentro de casamento sendo que hoje a maioria dos nascimentos ocorre fora do casamento. Adicionalmente 1 em 6 potenciais nascimentos não ocorre devido à decisão de aborto por parte das mães.
Se por um lado isto é preocupante aos conservadores, que vêm lares separados e um abandono dos valores tradicionais (em 2017 apenas 31% dos casamentos foram católicos em comparação com 73% em 1990), as implicações na igualdade de oportunidades e pobreza deveriam preocupar a esquerda.
Em 2018, 34% os agregados monoparentais com apenas uma criança estão em risco de pobreza em comparação com 12% nos agregados biparentais com apenas uma criança. Apesar de nem todos os filhos fora de casamento serem de casais monoparentais (alguns podem não ter ainda casado) a estatística é ainda assim preocupante.
Adicionalmente, parece que estas tendências sociais não estão completamente dissociadas da capacidade financeira da população Portuguesa. Para fazer um casamento há que despender de bastante dinheiro e criar uma criança não é também uma responsabilidade barata.

Figura 8
Quando comparamos a capacidade de poupança dos Portugueses, com a evolução do número de casamento vemos uma correlação alta, de 0,7. Podemos argumentar que além deste efeito existe um fenómeno social de menos valorização de casamento mas penso que a questão financeira é evidente. Aliás anedoticamente, entre as pessoas que conheço, apesar de várias estarem juntas ao fim de muito anos, aquelas que singraram na vida e tiveram bons empregos foram as que casaram. É anedótico e portanto nada prova, mas acho que é interessante pensarmos neste ponto.
Tentei procurar uma desagregação do número de filhos por escalão de rendimento do agregado familiar e não encontrei. Mas dado que vimos antes que cerca de 72% da população não é capaz de poupar mais de 1000€ por ano, no melhor cenário, a capacidade financeira de ter uma criança é muito baixa. De novo, anedoticamente, muitos dos meus amigos que estão juntos (casados ou não) dizem que a razão principal para não terem filhos é a incapacidade financeira.
Fiz um exercício hipotético. E aviso já bem claro para que ninguém tome estes valores como reais, da taxa de fecundidade que teríamos caso houve uma relação inversa entre o nº de filhos e o rendimento. Ainda que seja um exercício crude os resultados ficaram bastante próximos daqueles que vemos na estatística quando assumi que haveria 1 filho sempre que se duplicava o rendimento:

Figura 9
De novo, este exercício não prova nada. Não é necessário um comentário a dizer isso pois já o digo aqui. Apenas mostra que caso houvesse uma relação deste género era possível chegar à taxa de fertilidade que temos.
Como conclusão desta parte sai o seguinte:
  • Cada vez há menos casamentos, mais divórcios em proporção aos casamentos, menos filhos e uma maior porção deles nascidos fora do casamento
  • Existe uma correlação entre a capacidade de poupança e o número de casamentos, sugerindo (não provando) que pode haver factores financeiros por detrás deste fenómeno social
  • Cerca de 72% da população tem bastante dificuldades em ter filhos, quando analisadas as suas despesas e rendimentos. Apesar de não haver evidências claras da capacidade de poupança e nível de vida na natalidade, é uma relação possível e que explicaria a baixa natalidade

Parte 3 - O caso para um esforço conjunto de conservadores e socialistas para solucionarem o problema

Existem várias facções políticas em Portugal. Para simplicidade irei dividi-las nos seguintes grupos:
  • Direita não conservadora (Liberais) - Querem um mercado livre, não se preocupam com redistribuição e possuem valores diferentes dos tradicionais (apoiam drogas, não valorizam necessariamente a família, etc)
  • Direita conservadora - Querem menos estado mas possuem preocupações de redistribuição. Valorizam a família e os valores tradicionais.
  • Esquerda moderada - Querem redistribuição mais activa e menos foco no mercado livre. Apesar de valorizarem menos os valores tradicionais que os conservadores, convivem com eles (ex. ainda valorizam o valor da família mas são dão menos importância ao casamento, religião, aborto, etc)
  • Esquerda radical - Querem redistribuição como valor principal e absoluto, assim como a abolição das instituições tradicionais como a família ou a igreja
Não incluí a direita radical (a chamada extrema-direita) pois não faz existe partidos em Portugal com assento parlamentar que encaixem nessa definição. Um exemplo seria o PNR, mas não é expressivo.
Acredito que a maioria dos Portugueses é inteligente e quando manifesta uma opinião política manifesta um problema real, que identificou, e ao qual atribui uma importância maior na sua vida. Assim sendo, reconheço que quer conservadores como socialistas estão a verbalizar preocupações reais.Acho que é mais importante perceber porque cada lado tem a postura que tem ao invés de perceber qual está certo ou errado no modo de atingir o seu fim. Trabalhando em conjunto podem até descobrir que os seus objectivos não são mutuamente exclusivos e que podem traçar um caminho em comum.
A instituição Família tem sido um ponto de divergência entre conservadores e progressistas, que a cada ano que passa parece criar um fosso maior entre os dois. Se aos olhos de conservadores a família tem um papel fundamental de educação da próxima geração, aos olhos da esquerda radical é vista como um mecanismo de opressão.
Contudo se tirarmos da equação a esquerda radical, a esquerda moderada não tem nada contra a Família, querendo mais proteger as classes mais baixas em Portugal.
Por outro lado, redistribuição é algo tabu para um liberal que valorize o mercado livre mas não o é para alguém da direita conservadora que, normalmente impelida por valores católicos, acredita na ajuda aos menos favorecidos.
Assim sendo penso que estes duas facções ganhavam imenso se em vez de debaterem as suas ideias pelo valor abstracto delas (ou seja um discurso focado no caminho e não onde querem chegar), falem-se mais sobre os seus objectivos e como poderiam agir para ambos conseguirem resolver aquilo que pensam ser problemas importantes para a Nação.
Creio que se esse discurso começasse a existir (que hoje em dia não o vejo) facilmente iriam chegar à conclusão que a actual elite política em Portugal não representa quer um grupo (pois a desigualdade só aumenta) quer o outro (pois os valores tradicionais só desaparecem)

Conclusão

Para finalizar gostaria de pedir as vossas opiniões, quer sobre as análises, quer sobre este potencial de discurso. A minha existência neste fórum vai ser sempre pautada por uma tentativa de nos aproximar a todos, enquanto Portugueses, para que possamos pensar melhor sobre o futuro do nosso País. Longe de ideologias e partidarismos, podemos deixar as cores de lado e pensar quais os nossos objectivos principais e depois criarmos um caminho consensual para os atingir.
Penso que há muito mais que nos une do que aquilo que nos separa (como diz o Rui Veloso), pois tirando a extrema esquerda (que penso sabotar qualquer país) e a direita liberal (que ignora muitas vezes as externalidades negativas de um mercado livre) a maioria dos Portugueses apenas quer viver a sua vida melhor e viver em paz e sossego com os seus.
Obrigado pela paciência que tiverem em ler tudo e novamente, apelo ao civismo de todos nos comentários!
EDIT: Fonte de dados - INE e PORDATA
submitted by aquele_inconveniente to portugal [link] [comments]


Como solicitar os benefícios para as famílias monoparentais