Pele namoro

Namoro. Namoro Fausto. Compartir en Facebook Compartir en Twitter. vistas 1.407. ... Sua pele macia era suma-uma sua pele macias cheirando a rosas seus seios laranja laranja do Loge eu mandei-lhe essa carta e ela disse que não . Xuxa revela detalhes de seu namoro com Pelé (Foto: Revista Caras) Apresentadora Xuxa Meneghel, que namorou Pelé quando tinha apenas 18 anos, conta o drama que viveu ao lado do ex-jogador. Para quem deseja um presente para 1 mês de namoro simples, a caneca personalizada é perfeita. Além de não ser um item muito caro, você ainda poderá usar mensagens criativas e diferentes. E até relacionar a mensagem da caneca a uma brincadeira ou situação entre vocês, deixando o presente ainda mais especial. À época do namoro com Pelé, Xuxa tinha cerca de 18 anos. Os dois têm cerca de 33 anos de diferença de idade. 'Ele chegava em casa e falava: 'Pelé ficou com fulana de tal. Guarda bem esse nome que vai ser uma pessoa muito conhecida', disse, sobre comentários que seriam feitos pelo jogador, falando na 3ª pessoa. Xuxa relembra namoro com Pelé e fala sobre traições: “Era traída de cabo a rabo” Tathiane Marques. 12/02/2020. Vila Nova empata e fica perto do rebaixamento na Série B. Xuxa relembra namoro com Pelé e afirma: 'Eu era traída de cabo a rabo' LANCE! 13 de fevereiro de 2020. Reblogar. Compartilhar. Tweetar. Compartilhar. Pelé e Xuxa namoraram por seis anos na década de 80 (Foto: Reprodução) Mais. A vida pessoal de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, foi cercada de alguns episódios polêmicos. Um deles foi ... À época do namoro com Pelé, Xuxa tinha cerca de 18 anos. Os dois têm cerca de 23 anos de diferença de idade. 'Ele chegava em casa e falava: 'Pelé ficou com fulana de tal. Tags: Xuxa, Pele, Namoro, Ayrton Senna, Entrevista, Caras, Argentina. Nem Te Conto 'Pagou para ficar comigo', dispara ex-affair de Arhtur Aguiar. Veja post Sem calcinha, de chapéu, Sabrina Sato ... Pelé: Namoro com Xuxa foi amizade colorida Imprimir No currículo amoroso de Xuxa, o jogador Pelé é sempre citado como um dos homens mais importantes de sua vida. Cuidados com a pele ... Xuxa Meneghel relembrou passado com Pelé e contou que em seis anos de namoro descobriu casos de traição por parte do ex-jogador de futebol. 'Uma vez ele estar com batom ...

Possível suicidio

2020.09.20 04:41 So-mais-um-suicida Possível suicidio

Em decorrer desse ano 2019 vou ver oq faço Termino de namoro já superei Morte do pai está difícil... Em meio a tudo isso parei de me cortar mais sinto q vou voltar ... N sei oq está acontecendo só sei q estas pessoas q estão cmg estão me ajudando Voltando para término de namoro acho q n superei pq chamar alguém de amor pensando na ex e foda... É mais uns dias se passaram e a situação só aperta com meu pai morto parece q vai dar td errado N posso ajudar em nd inútil Realmente n sei oq fazer... Acabei q só fiz mais merda Sinto que n quero mais viver esta uma merda n aguento mais... pensando me matar ninguém vai sentir minha falta talvez minha mãe um motivo n quero dar essa dor para ela Mais será que ela sentirá dor... Se cortar n adianta mais mesmo assim n paro Pra mim e uma forma de estar mais perto da morte Se eu for msm fazer isso qro q todo mundo saiba q gostei msm de vcs MT obrigada além de minha amiga vc era minha mãe... Sonhos q com realidade q talvez nunca chegarei À vontade de desistir só aumenta Nss está cada vez mais difícil estou por um tris Mais sei q tem gente para me ajudar qualquer coisa Msm eu sabendo q preciso de ajuda eu n aceito Oq eu tenho Acho q n vou fazer isso vou esperar Deus levar minha vida Será q eu espero? Pq eu n tenho motivo para viver E viver para nd e a msm coisa q estar morto Pensando bem se eu for me matar msm quero q seja uma coisa q eu n tenho chance de sobreviver Aff essa merda de vida só piora com o tempo n aguento mais essa casa Agr a única coisa q eu qro nessa casa e dormir tomar banho e pronto E no final só provo q sou fraco Credo n consigo fazer nd direito Mais agr estou no sítio quero distrair não quero ficar me preocupando MT Mais está sendo MT difícil Credo assim q eu cheguei aqui eu lembrei do meu pai e eu n sei oq pq Talvez pq o primeiro lugar q eu vi meu pai dar uma convulsão foi né um sítio Uma das piores cenas da minha vida Lembro como se fosse ontem eu correndo até ele e ele na beira da piscina deitado com a boca sangrando Naquele dia eu achei msm q meu pai iria morrer eu era MT novo entrei em desespero mais nunca pude fazer a diferença nunca pude ajudar ele MT até pq n tinha oq fazer Mais me arrependo por n ter ajudado ele aquele dia q eu vi ele espumando pela a boca eu via em seu olhar q precisava de ajuda mais msm assim eu fui fraco eu fui covarde eu fui um merda Eu entrei pro banho e n pode ajudar ele Isso foi a merda q ficou na minha mente E eu n consigo tirar isso da minha cabeça Alguns me perguntam pq vc n consegue dormir às vezes talvez pq eu fique pensando nele e como eu poderia ajudar mais sla Talvez esses pensamentos sejam só um pedra no meu caminho mais tenho medo de ser um muro Aaa n importa quantas pessoas têm ao meu lado eu sempre vou achar q estou sozinho É e mais uma vez no dia fico pensando no meu pai n consigo tirar ele da minha cabeça coisa q são tão poucos mais me lembram em questão de segundos aaa doi isso n consigo tirar da minha cabeça a imagem dele deitado no sofá e eu só olhei a vc pensa o quão egoísta eu pude ser Mds a única vontade q eu tenho agr e de acabar com td 😔 Pra mim por enquanto a única solução é ver o sangue escorrendo pelo meu corpo e acabando com td isso Mas pq eu n consigo será q eu tenho mais alguma coisa para frente Aaaa e cada pensamento q vem sobre suicido vem mts jeitos e n para de vir desde se matar com um gilete até o mais improvável N sai da minha mente q eu fiz uma coisa q eu vou levar para o resto da minha vida Uma culpa q n vai passar Aaa a cada fez fica mais difícil a cada fez eu sinto q quero conversar com a morte quero q acabe tudo de uma vez e peço a Deus para acabar com essa minha vida peço q quando eu for q minha mãe n sinta minha falta só quero q isso acabe Só quero colocar um ponto final Já estou cansado de escrever cartas com sangue n sei o pq eu me arrependo tanto pq eu sou fraco essa é uma resposta q eu queria ter N sei oq está acontecendo parece q tem um monstro me dominando aos pouco Tem momentos q se eu estiver com a pessoa certa os problemas vão embora mais e só eu me afastar q eles voltam para me atingir Caso um dia eu sair e volta Deus está cmg caso eu sair e n voltar quer dizer q eu fui com Deus Puts em meio a tudo isso eu percebi os poucos q estão do meu lado e eu n quero ferir eles obrigado Léo por me mostrar quem realmente está do meu lado E depois de MT tempo volta td de novo nss eu n consigo segurar essa barra dor de mais voltou td Ver uma ft dela e ver q ela está tão bem sem mim e vê q ela n precisa e saber q eu nunca mais vou poder dela de volta A cada fez fica mais difícil Sinceramente eu n aguento isso N falo para ninguém pq n quero incomodar com meus problemas de merda A única vontade é de sumir e pronto Aaaa n sei oq faço estou perdido em meio aos meus sentimentos Está ficando cada vez mais difícil minha mãe parece q n esta nem aí para mim parece q ela está pouco se fodendo Nss família é um bagulho tão escroto o povo só presta pra falar mal de vc Nesses últimos tempos está sendo MT boa parece q a supostas “DEPRESÃO” foi embora ou deu um tempo Faz até bastante tempo que eu não me corta Não sinto a lâmina passando na minha pele E isso tá sendo muito bom espero q não volte Só o vício d cigarro que não para mais tirando isso esta suave Há olha eu aqui de novo depois de um tempo Voltando só para falar q n esta nd fácil Dois primos meus morreram se suicidaram é isso é oque mais acaba comigo Além disso é Foda ver a família fingindo que está se preocupando é uma merda N da para aguentar isso mais E em pleno 2020 eu continuo essa carta E parece q n aconteceu nd de ruim Espero q esse ano seja diferente Só espero msm...
Ass:Suicida anônimo
submitted by So-mais-um-suicida to podemos [link] [comments]


2020.09.05 23:06 LeprechaunBR O desabafo de um autista.

Olá, turma e, talvez, Luba & Cia. Ltda. Bună ziuă, ce faci? Bom antes de começar de fato, existe uma coisa sobre mim que deve ser considerada. Tenho meus 26 anos e sou autista, tenho dificuldade em expor minhas ideias então, talvez esse texto fique sem sentido ou longo de mais, mas vou me esforçar pra me comunicar bem. (caso queiram cortar e editar, eu aceito a ajuda!) Sou filho de uma mãe solteira, que sempre lutou muito para vencer na vida. Meu "pai" teve problemas com drogas e minha mãe fugiu dele logo que eu nasci. Essa fuga nos fez sempre viver em dificuldade financeira, por sermos sempre nós dois. Ela se abrigou por alguns meses na casa do irmão mais velho dela, junto comigo ainda bebê. Meu tio é um homem muito rico, possui terras e posses, ajudou minha mãe a conseguir um trabalho. Esse período fez minha mãe idolatrar muito o meu tio. Minha infância foi regida em ficar fora do caminho da minha mãe que conseguiu trabalhar como enfermeira em dois turnos num hospital, e tentar me concentrar na escola. Era difícil, os sons e os movimentos das crianças me incomodavam muito e meu desempenho (copiando e fazendo tarefas no caderno) era terrível, embora eu fosse reconhecido como um aluno muito inteligente. Meu tio e sua família, bem como o restante da minha família sempre fez questão de mostrar que eu não era homem o bastante e nem merecia o respeito deles. Com piadas, pegadinha e comentários maldosos que eu só fui compreender quando comecei a fazer terapia. Aos 19 anos, morando sozinho eu tive a oportunidade de fazer psicoterapia, onde com uma equipe muito carinhosa e dedicada à mim, eu fui diagnosticado com a síndrome de Asperger, um dos espectros autistas. Esse diagnóstico foi chocante, mas fez com que muitas peças se encaixassem e eu entendesse o porque de eu ser tão estranho. Bom, minha família é extremamente machista, racista e capacitista. Quando comentei do diagnóstico minha mãe disse que não acreditava que eu tinha ido num médico de doido e colocou esse diagnóstico como culpa pra tudo que dava errado comigo, empregos, namoros, etc. Eu tinha que conter minhas crises em casa, não podia demonstrar o que estava sentindo. Certa feita ela descartou meus remédios porque "eu ficava estranho" quando os tomava. O ápice desse desabafo acontece agora. Eu iria fazer uma prova importante na casa desse tio, que não gostava de mim. Naquele dia eu, que sempre busquei a aprovação dele, comentei que estava buscando um intercâmbio gratuito na Espanha. Nesse momento ele me sentou numa cadeira e por mais de uma hora me ofendeu, me comparando ao meu "pai" me chamando de coisas muito pesadas, afirmando que eu só queria que minha mãe morresse pra eu pegar o dinheiro dela. (talvez porque eu pedi ajuda para pagar um mês de aluguel quando me mudei porque não iria receber naquele mês) e o pior foi que minha mãe agradeceu a ele por ter falado. Eu tive uma crise sensorial muito intensa, eu não sei como descrever essas crises, mas é como se sua pele não coubesse no seu corpo, tudo parece coçar muito e por mais que você puxe o ar ele não vem. Me mandaram parar de frescura. Tive que fazer a prova com esse espírito. (infelizmente reprovei) Minha terapeuta me ajudou a entender que eu não preciso ficar próximo deles, que eu devo buscar pessoas que me fazem bem. Hoje a pesar de ainda ser a vergonha da família, eu vivo até bem. Sou formado em fisioterapia e me especializei em neuropediatria e agora busco uma especialização em terapia intensiva, namoro uma mulher incrível e consigo conviver com o autismo. O recado que deixo, caso esse desabafo seja lido, é que você é mais! Você é mais que uma família complicada, você é mais que um diagnóstico, existe um mundo inteiro dentro de você!
submitted by LeprechaunBR to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.28 01:15 TELZERAxX Como saber se você já foi corno por mais que a pessoa negue que nunca te traiu ou te trai??

Sei la algum especialista no caso ??? Rsrs alguém estilo metaforando, ou que já passou por isso, alguém que já saiba quais os sinais que a pessoa dê, as atitudes delas... Já namorei 3 vezes, na primeira vez que terminei a mina me amava e tal, dizia que era pra sempre que iria me amar, e do nada depois de tempos disse que queria um tempo, que estava confusa da vida, e que era melhor a gente dar um tempo e ser apenas amigos (pra alguém que me amava tanto como namorado e depois me ver só como amigo é estranho) disse também que ela achava que tinha nascido pra viver sosinha, que ela não gostava de mais ninguém (tudo isso ela dizia pra gente terminar). Falou milhares e milhares de coisas de o quanto ela queria viver totalmente só... Aceitei numa boa, terminamos... Quando menos esperei ela apareceu nas redes sociais com o seu tal "tempo" kkkk eu ficava tipo "ué vivia dizendo que queria viver sosinha?" E praticamente Depois de tudo isso resolvi dar uma chance ao amor novamente depois de ter quebrado a cara.... A gente já se conhecia a anos já tinha ficado em alguns momentos e chagamos a uma conclusão de darmos uma chance ao amor... Ao namoro. Namoramos foi tudo belo, tudo maravilhoso, com mil promessas com várias juras de amor milhares de eu te amo ... Éramos um grude só... (Sem contar que no meio desse namoro sempre aparecia de costume assim como todo namoro aquele infeliz que ainda não superou ela e ficava direto chamando ela no PV) O tal amigo rsrs "hj ele é só um amigo amor" Enfim a história foi por incrível que pareça a mesma... Chegou pra mim e praticamente disse quase as mesmas coisas que no meu primeiro namoro disseram. Eu fiquei em choque pq provavelmente eu ia sentir na pele pela segunda vez, só que dessa vez eu já saberia o fim disso (seria trocado por outro). E dessa vez eu fui questionando tudo, perguntando se ela iria me trocar.. sim, eu fui direto kk pq eu já entrei em desespero... A primeira vez eu não sabia o fim, agora imagine na segunda vez já sabendo o provável fim?? Pois é. E o pior que ela sempre nega não ter ninguém na vida dela, nega que nunca iria me trocar... Hj em dia a gente já nem se fala tanto, mas ela vive postando indireta pra um certo alguém, posta prints de conversa de um certo alguém dando em cima dela, posta várias coisas sobre amor, e quando resolvo sempre questionar ela sempre nega até a morte... Alguém pode me explicar se devo confiar nela ou na minha intuição pela experiência do primeiro namoro ??? Eu quero por um fim nisso d saber a verdade se fui ou não trocado...
submitted by TELZERAxX to desabafos [link] [comments]


2020.08.05 19:17 quemperguntapormim O quão comum é uma mulher gozar por squirt ou penetração?

Eu namoro há quatro anos e nunca fiz minha namorada gozar por penetração ou fazendo squirt. Ela normalmente goza masturbando o clitóris enquanto eu meto e diz que é muito bom e tal, que chega a ter dias que é muito intenso, porém.... eu fico meio mal por ela nunca ter gozado de outra forma.
No começo do namoro eu lembro dela já ter relatado sentir vontade de mijar durante o sexo na posição em que ela fica por cima, mas ela nunca ia até o final porque achava que ia literalmente mijar e sujar minha cama. Essa sensação voltou a repetir um tempo depois, mas ela nunca conseguiu chegar até o final para ver o que acontecia
Acho que a minha falha em partes é a dificuldade que eu tenho de meter sem parar. Eu sinto muito tesão nela e meu pau não é circuncisado, então eu sinto MUITO tesão enquanto estou metendo e aí as vezes tenho que parar de meter para não gozar. Também não usamos camisinha, então é pele com pele, o que faz eu não aguentar muito tempo metendo.
Enfim, qual a experiência de vocês sobre isso? Mulheres, me tirem essa dúvida sobre gozar por penetração e por squirt, acho que vocês podem responder melhor. Pra contextualizar, tenho um pau médio e eu e ela perdemos a virgindade juntos.
submitted by quemperguntapormim to sexualidade [link] [comments]


2020.08.05 09:08 quemperguntapormim O quão comum é uma mulher gozar por squirt ou penetração?

Não sei se esse é o sub certo, mas serve como desabafo também. Eu namoro há quatro anos e nunca fiz minha namorada gozar por penetração ou fazendo squirt. Ela normalmente goza masturbando o clitóris enquanto eu meto e diz que é muito bom e tal, que chega a ter dias que é muito intenso, porém.... eu fico meio mal por ela nunca ter gozado de outra forma.
No começo do namoro eu lembro dela já ter relatado sentir vontade de mijar durante o sexo na posição em que ela fica por cima, mas ela nunca ia até o final porque achava que ia literalmente mijar e sujar minha cama. Essa sensação voltou a repetir um tempo depois, mas ela nunca conseguiu chegar até o final para ver o que acontecia
Acho que a minha falha nisso tudo é a dificuldade que eu tenho de meter sem parar. Eu sinto muito tesão nela e meu pau não é circuncisado, então eu sinto MUITO tesão enquanto estou metendo e aí as vezes tenho que parar de meter para não gozar. Também não usamos camisinha, então é pele com pele, o que faz eu aguentar quase nada.
Enfim, qual a experiência de vocês sobre isso? Mulheres, me tirem essa dúvida sobre gozar por penetração e por squirt, acho que vocês podem responder melhor. Pra contextualizar, tenho um pau médio e eu e ela perdemos a virgindade juntos.
submitted by quemperguntapormim to desabafos [link] [comments]


2020.07.29 02:17 JhowneeBitch O QUE SÓ ACONTECE EM FILMES MAS INFELIZMENTE ACONTECEU COMIGO

Olá, People, Luba e quem estiver lendo. Isso aconteceu e tenho testemunhas. Aliás, essa história é contada até hoje, talvez até por pessoas das quais nem lembro mais que existam. Mas vamos lá.
Começou em 2009, eu estava no último ano do ensino fundamental, e já me reconhecia como Bissexual. Na época, eu era talvez o único aluno daquela escola que era abertamente LGBT, então, consequentemente, acabei ficando muito popular. Todo mundo sabia quem eu era e etc. Lembrando que eu era o único, então, não tinham outros Boys por quem eu pudesse ter... Um lance. Só garotas. Então eu pegava um monte de garotas. Até que comecei a namorar com uma garota que vamos chamar de "N". Eu e "N" namoramos por quatro meses e tava tudo certo. Mas dentro de mim, eu sabia que eu não tinha nada de Bissexual. Que talvez fosse só uma fachada pra eu me sentir "Menos Gay" (Se é que isso faz sentido) até que vi que eu estava certo. Então, um dia, tomei vergonha na cara e abracei minha completa homossexualidade. Eu e "N" íamos e voltávamos da escola de Perua Escolar, então estávamos juntos dentro e fora da escola. Assim que virou o ano, para 2010, e eu entrei no colegial, Tive que terminar com "N" obviamente, e explicar tudo pra ela, que eu era GAY, não BI, que não dava mais pra continuar nosso relacionamento. Ela aceitou NUMA BOA. Inclusive viramos bons amigos. O que ela não sabia, é que um dos motivos por eu ter terminado também foi porque eu estava me apaixonando por um garoto, que vamos chamar de "W". O "W" não era da mesma escola que a gente. Mas a nossa perua escolar, carregava dois grupos de alunos ao mesmo tempo, os da nossa escola, e alguns da outra (a dele, no caso). Então eu via "W" todo dia também, na ida e na volta. Mas o "W" não era gay ou bi, ou pelo menos não aparentava. Eu fui chegando na amizade... mas com segundas intenções. Até que um dia, minhas segundas intenções ficaram claras pra ele. E para minha surpresa, ele revelou que também tinha sentimentos por mim. Nos beijamos e tal, mas ele ficou muito apreensivo, e decidiu que não teríamos nenhum envolvimento. Fiquei chateado, mas fazer o que. Todo adolescente pode ter conflitos sobre sua sexualidade, então aceitei de boa e passei esse pano pra ele. Até que, no dia seguinte, ele diz que sonhou comigo, que não conseguia parar de pensar em mim e boom! Me pediu em namoro. Eu aceitei, é claro! Eu estava apaixonado e era tudo tão emocionante. Namoramos, e muito bem! Não tinha brigas, DR, ou crises de ciúmes. Brincávamos muito, fazíamos piada.. Era um namoro cheio de alegria, muita química e cumplicidade. Tínhamos os mesmos gostos... era tudo perfeito. Passaram-se alguns meses, e um dia... Ele me disse que queira terminar. Acontece que ele estava sofrendo preconceito na escola dele. Havia inclusive perdido algumas amizades quando o fato dele estar namorando com outro garoto (eu) veio à tona. Ele não conseguia suportar a pressão do preconceito. Disse inclusive que muitas pessoas na escola dele haviam parado de chamá-lo pelo nome, e o chamavam só de "Viado." Ele inclusive ficou com medo que alguém contasse tudo pra mãe dele e etc. Então, terminou comigo. Eu fiquei DEVASTADO. E pior é que eu não podia fazer nada. Não adiantou falar nem opinar, porque eu mesmo, nunca senti na pele esse tipo de preconceito. Na minha escola, todo mundo era super gentil comigo e nunca sofri nenhuma rejeição.
Alguns dias se passaram, eu só conseguia sofrer por amor. Até que, "N", lembram dela? A minha ex? Então, eles começaram a ficar muito próximos... E quando me dei conta, estavam namorando.
Algo que eu não desejaria ao meu pior inimigo, é ver DOIS EX SEU SE PEGANDO, SE BEIJANDO E SE LAMBENDO NA SUA FRENTE, DIA APÓS DIA, ainda mais apenas uma semana depois do nosso término. Estávamos todos enclausurados numa perua escolar na ida e na volta, não tinha pra onde escapar, era impossível não ver eles se agarrando. Que merda! Eu a deixei por ele, ele me deixou, e depois ficou com ela? PQP!

Mas logo eles terminaram. Eu vi minha chance, voltei a me aproximar de "W" mas ele disse que não tinha nenhuma chance de nós voltarmos. Ele ainda estava atordoado com o que ele passou na escola dele. Que agora todos estavam começando a tratar ele normalmente de novo. Eu e "N" inclusive chegamos a brigar por causa de "W", disputando o amor dele feito dois trouxas. Até que ela desistiu e eu fingi desistir, mesmo chorando quase todo dia.
O ano letivo estava acabando, eu e "W" estávamos próximos de novo, mas sem beijos, sem carícias, apenas amizade. Eu me declarei e disse o quanto o amava, ele só conseguia segurar o choro. As férias de fim de ano estavam vindo, essa era minha última chance este ano? Ele disse que queria estar comigo, mas que não estava preparado ainda. Mas que eu o havia marcado, e que ele nunca esqueceria de mim. E que usaria as férias pra pensar sobre mim e a nossa situação, que ele me daria uma resposta definitiva sobre o nosso possível futuro assim que as aulas voltassem, no ano seguinte. Sim, eu passaria as férias e a virada do ano me torturando com isso na cabeça, mas ok.

Então, a perua chegou até onde ele morava, era vez dele descer. E uma última vez, eu disse "EU TE AMO". E ele respondeu "EU TAMBÉM TE AMO" prestes a chorar, batendo a porta da perua. Aquilo foi tão dramático, tão romântico, eu me senti num filme.
Passaram as férias, finalmente chegou o primeiro dia de aula. Eu fui com uma animação tremenda, mesmo temendo a resposta que ele pudesse me dar. A perua foi passando de casa em casa, e só ia aumentando minha tensão. Até que quando passamos pela rua dele, a perua passou direto. Então perguntei pro motorista - "O W vai faltar no primeiro dia de aula?" E o motorista me respondeu "Então... Ele não vem mais. Mudou de escola, não vou mais buscar ele."

Aquilo me destruiu. Completamente. Não o vi mais depois disso, mas também nunca o esqueci. Acho que o primeiro coração partido é o que dói mais. Até que 10 anos depois, por pura ironia do destino, minha amiga "J" (que é lésbica, aliás) disse estar batendo um papo com um carinha do face que gostava muito de Star Wars, assim como ela. Quando vi quem era... Minha alma quase saiu do corpo, era ele! Eu peguei o número dele. Quando mandei um simples "Oi", ele respondeu JÁ SABENDO quem eu era, só pela foto. Não perguntou meu nome nem nada. Ele sabia. Me chamou pelo nome e tivemos uma conversa longa que durou umas 7 horas. Mas foi uma conversa puramente amigável. Ele está bem, eu estou bem (Estou Muito bem, aliás, agora entrei num novo relacionamento com um rapaz muito bom, gentil e resolvido.) Mas acho que essa conversa que tivemos foi a prova de que, o que aconteceu lá trás, nunca vai sair das nossas cabeças.
Acabou aqui? Não sei. Provavelmente sim. Mas essa foi uma página da minha vida que custou 10 anos pra fechar. Ele me deixou num "Gancho" há 10 anos atrás que atormentou todos os relacionamentos que tive desde então, sempre com medo de me afeiçoar. Mas talvez... Eu não sei.
A garota "N" está muito bem também, somos realmente bons amigos e até saímos as vezes pra tomar uma cerveja. Foi isso, muito absurdo mas romântico ao mesmo tempo. Daria um Livro Teen? Quem sabe eu escreva. "N" inclusive já até me deu permissão pra escrever um.
submitted by JhowneeBitch to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.25 04:23 YatoToshiro Ultradimension Games #4 Hyperdevotion Noire


https://preview.redd.it/pop2gd6eywc51.png?width=510&format=png&auto=webp&s=b7fd1d69edb20b4b5f7ab0882bd9b05f12b7bb07
Lee-Fi Lee-Fi é uma jovem apaixonada que usa o punho para falar. Por isso, ela é má com pessoas indecisas e acredita que apenas pessoas fortes valem alguma coisa. Ela está sempre em busca de alguém que possa ser mais forte que ela e incentiva um desafio. Quando seu interesse é escolhido, ela escuta com total intenção. Ela pode ser egoísta e rude, mas também se importa com os amigos.
Ela é a primeira dos generais a aparecer ao lado de Noire no começo. Depois que Noire acredita na tradição de uma mulher chamada Eno e joga Gamarket no Caos, os Generais desertam e agem de forma independente.
Lee-Fi é o primeiro general a luta da CPU depois que ela derruba a secretária de Noire. Ela perde e é levada em custódia. Ela desafia Noire para o primeiro desafio que vê: um pôster de um concurso de beleza e, apesar de tudo, Lee-Fi saiu correndo do palco chorando de vergonha. Mais tarde, ela decide que quer lutar contra Lid, outro dos generais. Mais tarde, ela concorda com a proposta de Resta de fazer com que os generais a combatam para ver se as convicções de Noire eram verdadeiras. Após a derrota de Resta, Ela, juntamente com Lee-Fi e Lid concordam em ajudá-la.
Lid Lid tem uma personalidade legal e séria, mas quando coisas irracionais acontecem, ela cospe comentários venenosos. Ela tem medo de desenvolvimentos inesperados, armadilhas e se esconde em uma caixa de papelão, tendendo a ser cautelosa com o ambiente.
Além disso, quando a situação se desenvolve muito além de suas expectativas. Ela também costuma se atrapalhar com suas próprias palavras..
Ela é vista pela primeira vez no início do jogo com Noire e seus outros generais.
Depois que Noire leva Gamarket ao caos, alguns soldados de Lid foram vistos perseguindo Resta, que estava em um estado enfraquecido. Ela pede desculpas por suas ações e foge.
Mais tarde, ela é vista em sua própria cidade, tentando prender os outros processadores. Quando ela é confrontada por Noire, ela os desafia. Ela perde e concorda em ser detida.
Em seu momento, ela espia Noire enquanto toma banho e a ouve falando sobre Lid ser um ídolo, o que contraria tudo o que ela representa. Depois que ela é descoberta, ela cai da abertura no chuveiro de Noire e é punida por isso.
Quando Resta se recuperou, Lid explica que Resta pisou em sua própria mina terrestre. Depois disso, ela concorda com a proposta de Resta de fazer com que os generais desafiem as CPUs a testar a convicção de Noire e, depois de derrotadas, ela se junta a elas como uma espiã da equipe.
Resta Resta parece uma criança pequena, mas por dentro é uma garota forte e uma pessoa com bom senso. Quando ela olha para a falta de jeito de Noire, mesmo quando criança, ela se preocupa. Inesperadamente, ela adora histórias de adultos e se interessa por coisas pervertidas. Mas ela não tem experiência nessa categoria e parece exibir uma pequena quantidade de inocência.
Estelle Estelle é uma pessoa com uma disposição brilhante e simples. Ela parece muito inocente e se considera uma heroína em busca de coisas lendárias. Mas suas ações nunca são feitas com más intenções, embora ainda a envolva em problemas ...
Ein Al Uma misteriosa mulher-espada, à primeira vista ela tem uma atmosfera séria e fria sobre ela. Mas ela está simplesmente (com toda a intenção) exibindo sua elegância, a chamada Chuunibyou.
Ein adora usar palavras difíceis para parecer mais madura, mas na ocasião ela mostra suas cores verdadeiras.
Moru O mais novo dos comandantes militares, Moru está cheia de energia e uma inocência natural. Ela pode parecer um pouco ingênua e se apressa a entender as coisas de uma maneira única. Sabe-se que seus sentidos são fortes, o suficiente para detectar inimigos ocultos.
Poona Pacifista gentil e com um jeito preguiçoso de falar, Poona encontrará coragem para enfrentar qualquer coisa se vir alguém que conhece ou se preocupa com problemas. Seu ponto de charme é o bombom na cabeça.
Ai Masujima Ai Masujima adora cantar e dançar com as amigas. No entanto, mexa com ela, ela fica fria, semelhante a Plutia.
Ela aparece no capítulo 4: Rest @ rt. Neste capítulo, Ai está tendo problemas para encontrar Vert e é encontrado por Eno, que está desconcertado com seu idioma. O CPU encontra-a sendo atacada por monstros, resgata-a e diz que ninguém é permitido entrar em Lowee. Ela interpreta o papel da vítima inocente até Blanc retornar e ressalta que ela foi responsável pela lavagem cerebral dos cidadãos de Lowee.
Lee-Fi é baseado em Chun-Li do Street Fighter. A tampa é baseada em Snake, do Metal Gear Solid, e usa uma faca para lutar. Resta é baseado na forma infantil de Ellis / Fiona, da Record of Agarest. Estelle é baseado no herói masculino de Dragon Quest 3 e usa uma espada e um escudo. Ein Al com duas tatuagens de espadas no rosto é baseado em Final Fantasy. Poona é baseado em Opuuna. Moru é baseado na série Monster Hunter e usa uma maça para lutar.
Ai Masujima é baseado na franquia The [[email protected]](mailto:[email protected]).

https://preview.redd.it/477hia9jywc51.png?width=510&format=png&auto=webp&s=4a405ce4a6799a91ad1b14dc180161d262c902e0
Ryuka Ryuka é uma mulher de pele clara com olhos azuis brilhantes. Seu cabelo é castanho e preso ao lado em dois cachos grandes e enrolados de comprimento uniforme. Ela veste uma flor vermelho-rosada no lado direito.
A roupa de Ryuka consiste em uma blusa vermelha reveladora com um dos quatro botões abotoados, diretamente abaixo do peito, enquanto a blusa é mantida fechada por um broche de ouro com uma flor detalhada. Impresso na camisa é um dragão preto. Isso é usado com uma jaqueta branca solta com mangas vermelhas, uma saia curta branca com faixa preta e uma fenda cortada na lateral colorida com pano vermelho. Ela também usa meia calça com um par de polainas brancas com detalhes em vermelho, preto e dourado. Seus sapatos são plataformas brancas e pretas com um rubi em cada dedo do pé.
Blossom Aisen Blossom tem uma pele clara e olhos roxos claros. Ela tem cabelos loiros, curtos e claros, com um corte infantil irregular, com a franja cobrindo o olho esquerdo. Ela usa um pedaço de cabelo roxo com adornos em ouro.
Blossom usa uma blusa branca com uma marca de forma de diamante cortada no peito e uma peça preta e dourada em volta do pescoço. Isso está embaixo de uma jaqueta roxa brilhante com detalhes dourados e pretos e um diamante de ouro nas laterais segurando-a fechada sobre o estômago. Sobre os ombros, ela tem um pano branco em miniatura com forro dourado e desenhos florais vermelhos. Por baixo da jaqueta, Blossom também tem um pedaço de material preto que gira em torno da metade inferior e um par de longas luvas brancas sem dedos. Ela também tem calças apertadas com temas cinza e preto com detalhes brancos e sapatos pretos.
Tsunemi Tsunemi não consegue expressar bem seus próprios sentimentos e tem uma maneira não natural de falar, como um robô. Ela é muito sensível aos sentimentos internos de outras pessoas e acha que só pode expressar seus verdadeiros sentimentos quando canta.
Tsunemi é uma garota de pele pálida, com olhos azuis profundos e cabelos loiros longos e pálidos, usados em tranças, seguradas com peças em círculo pretas com detalhes rosa.
Ela usa um vestido com um top revelador apenas cobrindo a frente. Consiste principalmente em preto e possui detalhes em azul pálido / esbranquiçado, ouro claro e azul escuro. Acima dos seios, no centro deles, e na parte inferior da saia, há material translúcido rosa. Ela também tem uma barra de música azul na região da virilha, cercada por quatro botões rosa com um X, O, triângulo e quadrado. Ela também usa mangas pretas e botas altas, ambas com detalhes em rosa e meias brancas um pouco mais longas.
Wyn Wyn é uma garota de futebol vigorosa e positiva. Ela é muito gentil com os outros e nem um pouco egoísta, embora possa ser meio simples. Ela é legal com amigos e estranhos.
Wyn é uma garota de pele clara e pálida, com olhos cianos brilhantes e cabelo castanho claro curto, usado em um rabo de cavalo preso por uma faixa vermelha.
Ela veste uma blusa azul solta com detalhes em azul mais escuro, dourado e branco. No peito, há uma seção de vermelho e laranja com um J azul escuro ao lado. Ela também usa shorts brancos e azuis sobre um par de leggings azuis escuras, de comprimento curto, tênis azuis com detalhes em azul e branco escuros e uma esfera azul na língua de cada dedo, uma gargantilha azul escura e uma pulseira de ouro.
Lady Wac Uma garota indescritível com uma propensão a provocar os outros até que os deixe com raiva. Sua idade é um segredo, mas comparada à maioria, parece que ela está pelo menos uma geração à frente deles, devido ao seu interesse em jogos retrô e ódio à juventude. Sua maior característica parece ser o fato de ela gostar de comer, implicando uma natureza gulosa.
Lady Wac é uma garota de pele clara e clara, com longos cabelos loiros pálidos, que são usados em tranças bufantes e franja comprida cobrindo os olhos. que são laranja. Na cabeça, ela usa uma faixa de babados roxa escura com um grande laço amarrado que tem uma peça central laranja e um pequeno diamante ao lado.
Wac usa um vestido rosa escuro com detalhes de babados roxos escuros e um pescoço correspondente, com um pequeno pingente de ouro no centro para combinar com os botões abaixo do peito, que são cobertos por um material translúcido. A saia do vestido parece ser muito folhosa e comprida, com detalhes em violeta claro e rosa pálido, além de uma pequena criatura azul que sai do bolso e uma cereja colorida no laço. Ela também tem meia-calça branca, maryjanes pretas com presilhas de morango para se parecer com doces cobertos de chocolate e rosa escuro, mangas no braço.
Generia G Uma super capitã que pode fazer qualquer coisa, desde que tenha a ver com máquinas. Ela é a líder da Minerva.
Generia é uma garota de pele pálida, com olhos dourados e um pequeno par de óculos vermelhos. Seu cabelo é pálido, amarelo chiffon e cortado na altura dos ombros, usado com um chapéu de capitão branco e preto com detalhes dourados e um rubi no centro de um deles.
A Generia usa uma roupa com temas cinza, branco e preto, fortemente decorada com detalhes em branco, preto, vermelho, dourado, azul e marrom claro. Em volta do pescoço, uma gola branca com detalhes dourados e vermelhos, além de ombros dourados e grandes mangas brancas de braço com forro dourado nas partes vermelha e marrom clara. Ela também usa uma faixa preta com uma parte colorida no centro, luvas brancas e sapatos brancos tipo mech com preto e prata na parte superior e vermelho na parte inferior com grandes algemas brancas ao redor do tornozelo.
Saori Uma garota com um verdadeiro coração de donzelas. Outros dizem que ela seria a heroína principal em qualquer sim de namoro. À primeira vista, ela pode parecer uma garota normal e normal da escola, mas não deixe isso te enganar. Ela pode lutar com os melhores!
Saori é uma garota de pele pálida, com olhos rosados e cabelos ruivo claro. Ela tem franja curta e um pouco de cabelo usado para emoldurar seu rosto, enquanto o resto é usado em um rabo de cavalo que atinge seu estômago. Perto do final do cabelo, parece uma coloração rosa pálida, e o cabelo é decorado com pequenas flores brancas e um clipe de coração rosa e oco.
Saori veste um uniforme escolar azul claro com um laço de chiffon pálido e camiseta branca por baixo, junto com um pequeno coração rosa cortado no centro do peito. Ela também usa calças de cor azul, que podem ser uma saia ou um par de shorts pregueados, meias brancas com linhas rosa no topo e botas curtas marrons soltas.
Ryuka é baseado na franquia Yakuza. Blossom Aisen é baseado em Sakura Wars Tsunemi é baseado em Hatsune Miku do Vocaloid e usa música para lutar Wyn é baseado em jogos de futebol, possivelmente Winning Eleven pela Konami. Lady Wac é baseado no clássico jogo de arcade Pac-man. Generia G Provavelmente é baseado nos jogos da Gundam Generation game Saori possivelmente é baseado em Tokimeki Memorial's Shiori Fujisaki

https://preview.redd.it/kt0iit5nywc51.png?width=510&format=png&auto=webp&s=b495872ca0121dec8d12cde3ec1f66be29c0eeb0
Vio Especialista em lidar com surtos de vírus, o Vio está muito acostumado a lutar. Ela tem uma personalidade peculiar e pode parecer um pouco feliz, embora saiba que é melhor exagerar na maior parte do tempo.
Vio tem cabelos verdes na altura dos ombros e olhos vermelhos. Sua roupa é preta com detalhes dourados e consiste em uma blusa de gola alta levemente esfarrapada, luvas brancas sem dedos, calça quente com pernas com zíper destacadas, botas brancas e algum tipo de coldre de cinta dupla na coxa direita.
Muitos aspectos do design de Vio na arte conceitual também mostram que ela é influenciada pela série Resident Evil (BioHazard no Japão); seu design geral parece inspirado em algumas das versões mais recentes do personagem 'Jill Valentine', e ela tem uma pequena criatura mutante verde / pelúcia no ombro esquerdo, segurando um guarda-chuva - na série Resident Evil, a Umbrella Corporation é responsável para o desenvolvimento original de muitos dos "vírus zumbis" mutantes ao longo da série, e seu logotipo é praticamente idêntico a uma visão de cima para baixo do guarda-chuva que o mutante da Vio está segurando. Sua arma de escolha é uma arma de cano longo, de águia do deserto, que é uma arma vista em muitos jogos da franquia Resident Evil.
Sango Sango acha que ela possui autoridade para agir mandona na frente de todos. Ela gosta de provocar e assediar os outros, e parece ser sádica e possivelmente masoquista, implicada pelo fato de que ela não odeia ser punida.
Sango é uma garota pálida, de pele clara, com pequenos olhos roxos e cabelos castanhos muito compridos. Ela tem franja arrumada e adequada para enquadrar o rosto, com poucos fios soltos na frente das orelhas e uma parte complicada que amarra o cabelo em quatro tranças circulares com tranças finas. Ela usa um ornamento roxo claro com detalhes dourados que se assemelham a uma borboleta e peças vermelhas opacas.
Seu traje consiste em uma túnica chinesa roxa vermelha e escura com detalhes dourados. Abaixo do peito, há um pano verde claro com um segmento preto por cima, com detalhes dourados, um cordão de baga brilhante e uma gema roxa clara no centro com uma gigantesca corrente de contas douradas. Seus sapatos são simples, sandálias pretas com saltos dourados e grossos.
Litte Rain Little Rain é uma garota de pele clara, com olhos azuis opacos e cabelos brancos muito compridos, que geralmente são soltos, mas tem uma fita roxa na parte inferior.
Ela usa um vestido bronzeado cremoso que seria revelador, se não fosse o top marrom chocolate usado por baixo dele com um pingente de ouro e roxo no meio, abaixo dos seios. Que combina com o pedaço do pescoço segurando as tiras de creme de seu vestido. Abaixo do ombro, ela tem mangas marrons chocolate e, em volta da cintura, há uma peça branca e prateada, segurando uma saia rígida marrom chocolate que revela seu vestido no meio. Decorar as partes marrons de sua roupa são detalhes em ouro. Enquanto seus sapatos são brancos, com detalhes marrons e dourados e orbes roxos em cima.
Vio (originalmente Capcom, que vazou como uma arte conceitual para Victory) está fazendo sua estréia neste jogo. Ela é baseada na franquia de Resident Evil (conhecida como Biohazard no Japão). O Sango é baseado no Sun Shang Xiang dos Dynasty Warriors e usa um Guan Dao Halbard. Little Rain é baseado na série Neverland.
submitted by YatoToshiro to Excalibur_Brasil [link] [comments]


2020.07.14 09:23 nicole-nic Atualização sobre o "Amiga Tóxica"

À mais ou menos 8 meses eu escrevi um desabafo sobre uma amiga tóxica que tive. Basicamente: Éramos amigas, eu terminei meu namoro, ela falou que a um certo tempo estava gostando dele, ficaram e estão namorando. No texto eu contava o meu ponto de vista e como aquilo tudo me afetou, e como a flor da pele, acabei deixando a entender que ela era a pior pessoa do mundo. Depois de um certo tempo começamos a nós falar de novo e finalmente colocamos os pingos nos is. Expliquei pra ela tudo o que aconteceu e o motivo de eu ter parado de falar com ela, até porque já estava mais do que óbvio, e que também éramos muito imaturas para levar tal ato """numa boa""". Hoje ela leu meu texto feito a 8 FUCKING MESES ATRÁS, e se sentiu mal, não tiro a razão dela, pois eu fui mesmo seca naquele texto, porém muitas coisas mudaram de lá pra cá, assim como meus pensamentos. Continuo concordando com 98% daquele texto, só algumas coisas eu posso ter sido muito dura! Porém, acho que ela teve um crise de ansiedade pelo modo em que me expressei no texto, mas aquele texto foi realmente escrito de modo que as pessoas conseguissem sentir a minha fúria perante aquele momento, não queria mágoa-la porém quando escrevi aquele texto estava muito nervosa para pensar nas consequências que isso me traria! Além dela ter insegurança com o namorado dela cmg, pelo fato de quando ele estava com ela, ficar dando em cima de mim etc. Mas conversamos sobre isso, mesmo ela me pondo contra parede por uma coisa que escrevi a meses atrás. Enfim, hoje em dia nos consideramos melhores amigas. Não mantenho contato com meu ex. Lembrando que: se você estiver passando por essa situação citada no texto de 8 meses atrás, e estiver, assim como eu estava, chorando muito e tendo crises... Você não precisa passar por isso sozinhx. CVV - 188
submitted by nicole-nic to desabafos [link] [comments]


2020.06.15 21:48 gokufantastico A babaquice q habita em mim saúda a babaquice q habita em vc

Olá Lubixco e agregados! Como vai a vida de vcs nessa pandemia??
Obs.: caso queira fazer sotaque, sou mineira.
Dezembro do ano passado, conheci um menino q vamos chama-lo de Karls com K. Na verdade, eu já o conhecia de vista, mas n conversávamos. Ele havia conseguido o meu número por meio da Narls, uma amiga mto próxima da época, éramos praticamente inseparáveis.
De início eu não tava querendo papo com o Karls, mas acabei caindo em carência e cedi. Eu e ele nos dávamos até bem, até então parecia ter idéias que batiam com as minhas, e aparentava ser super compreensível tbm. Como sou emocionada me deixei levar por essas coisas mínimas. Ele escrevia super errado e sem vírgula, eu tinha q adivinhar oq ele falava. Definitivamente n precisa de mto pra me ganhar.
O negócio é q eu tava tão apegada q aceitei namorar com ele antes msm da gente ficar. Esse "namoro" durou uma semana. Aconteceu uns problemas familiares e eu tava sem cabeça pra menino. Tbm tinha perdido um pouco o encanto, ent terminei antes da gente ficar. Tempo depois pedi pra Narls arrumar ele pra mim pq eu queria recomeçar com calma dessa vez (alguém me cancela, eu n me decido).
Deixando essa parte de lado e voltando para a Narls, eu e ela éramos amigas principalmente pq fomos diagnosticadas com depressão, combinamoscde uma ajudar a outra. O problema é q nós duas tínhamos um jeito diferente de lidar com isso. Eu sempre preferi ficar mais no meu canto, sem apoiar a minha felicidade em alguém. Sempre acreditei q o vazio q eu sentia deveria ser preenchido apenas por mim mesma. Já ela se sentia melhor qdo tava na presença de pessoas q confiava. Essa diferença acabou se tornando um problema na nossa amizade. Eu me sentia cansada qdo tava perto dela, as vezes tudo q eu queria era ficar no meu quarto.
Enfim, n tô aqui pra me vitimizar. O fato é q mtas vezes eu me sentia pressionada em ter q sair ou ir na casa dela, ent negava. Isso a machucava mto. Por conta disso nos afastamos um pouco. Ela estava precisando de ajuda. Eu negava ajuda.
Partindo dessas duas situações vamos ao clímax da nossa história. A Narls tinha voltado de uma viagem e tava com saudade de todo mundo. Programamos de geral ir na casa dela, inclusive o Karls. De inicio eu aceitei, mas um dia antes da reunião, desmarquei. Eu e o Karls estávamos nos estranhando, ele andava falando umas coisas machistas e fez uma trolagem idiota me chamando por um whatzap fake com uma foto de um menino qualquer. Por eu ter respondido ele insinuou q eu era interesseira. Por conta disso n queria ver ele e decidi q ficaria em casa.
Acontece q a Narls ficou p da vida com isso. Onze pessoas iriam, n ia fazer falta se eu n fosse, mas msm assim ela foi no grupo q estávamos usando para combinar o rolê e disse q teria q cancelar pq duas pessoas lá de dentro n se suportavam. Ela fez isso pra me forçar a ir, mas n deu certo, tudo foi cancelado msm.
Ela acabou contando pro menino q eu n queria ir "pq n o suportava". Fazia um tempinho q eu tinha parado de contar algumas coisas pra ela, mas fiquei mto magoada pq antes msm dela saber o meu lado, foi logo fazer intriga com o garoto, ignorando a amizade q a gente tinha por pirraça.
Um detalhe importante é q eu n tinha me afastado totalmente do Karls depois das decepções e do tal fake pois direto ele falava o qto era depressivo (acho q n era diagnosticado por um psicólogo como eu e a Narls, mas ele realmente parecia doente).
A Narls tbm fazia questão de me falar q eu era a unica coisa q mantia ele vivo e o qto ele era perfeito (não a julgo, ele se mostrava um príncipe para as pessoas e eu raramente reclamava dele com ela). Fiquei com medo dele atentar contrar a propria vida se eu me afastasse ent fui empurrando as coisas. Pois é, errei em n ter sido sincera.
Bom, com a "revelação" da Narls, o Karls me mandou um monte de mensagens, -uma delas com a foto do Kurt Cobain, importante destacar - falando q eu era manipuladora e frisando a depressão dele. Nem respondi. Aquilo já tinha me desgastado demais.
Dias depois ele mandou um áudio me pedindo desculpas e outras duas personagens dessa história, a Marls e a Sarls, minhas atuais melhores amigas responderam por mim. Acho q elas pegaram um pouquinho pesado na forma q falaram com ele mas tava tudo a flor da pele e precisamos fazer jus ao título dessa história.
Eu e Narls nos afastamos cada vez mais e uns dias atrás conversamos e terminamos oficialmente nossa amizade. Se ela tiver vendo isso espero q n me chame pra perguntar nada kkkkk. Tudo oq falei foi revivendo cada momento, n to querendo briga, pelo amor de Deus. Apenas quis transformar a treta em conteúdo.
Sabe Luba, apesar tudo, eu e Narls nos desculpamos pelos erros. Gosto mto dela ainda, essas desavenças não apagam o qto ela já me ajudou. Nossa amizade acabou n indo pra frente mas desejo tudo de bom pra ela, tenho total respeito pelo oq vivemos, e torço pra q ela vença a depressão.
Qto ao Karls, espero q ele se trate tbm. Só eu sei como a minha ansiedade e depressão ficavam atacadas naquela época. Ele criou um personagem perfeito pra me agradar e sempre q ele saía desse personagem e eu ficava com vontade de me afastar, ele voltava todo compreensivo e depressivo. Mandava fotos explícitas das mãos dele sangrando por conta da automutilação, msm sabendo q eu tbm era doente e q poderia ser gatilho. Acho q ele achava q eu poderia salvá-lo de alguma forma, mas eu mal estava dando conta de mim mesma. Uma amiga me disse q isso era relacionamento tóxico mas prefiro acreditar q ele só estava mto confuso com tudo aquilo msm.
No fim assumo q tbm tive meus erros. Todo mundo fez alguma merda nessa história. Acho q é isso chat, desculpa o textão, bjos e menor q três.
submitted by gokufantastico to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.12 23:11 tercioteseu Hoje eu fui chamado de Racista

Racismo é uma merda. Como é um tópico sensível, mesmo achando lugar de fala uma bela falácia, eu normalmente deixo as pessoas negras se posicionaram sobre e eu simplesmente digo que concordo com elas pq eu concordo.
Racismo é uma merda. É um problema estrutural na nosda sociedade. Julgar alguem pela cor da pela e não pelo caráter é o preconceito mais escroto e irracional que existe. Todo preconceito é burro, mas a xenofobia ao menos segue uma lógica (bairrismo), o ódio entre religiões faz sentido dentro da filosofia de cada uma das respectivas crenças. Racismo é literalmente odiar alguém pela cor da pele, algo qur não se escolhe nem se aprende. É simplesmente espúrio. Crime. Me parte o coração só de pensar no quanto de sofrimento nós já infligimos a bilhões e bilhões de pessoas ao longo da história devido a essa nossa necessidade ridicula de brigar, de ser preconceituoso, cospir ódio e perpetuar comportamentos higienistas e genocidas.
Hoje uma amiga muito querida, que esse ano idealizou um projeto muito bacana chamado PRETOS NO ENEM que consistia em criar uma vaquinha para que pessoas negras sem condição de se inscrever no enem fossem beneficiadas por meio de doações via boleto bancário.
Foi um sucesso, ela ate apareceu na globo.
Uma pessoa muito boa, engraçada e doce.
Mas sim -ja ia me perdendo em divagaçoes- ela publicou uns tweets sobre como as pessoas estavam sendo muito preconceituosas com ela por ela namorae um cara branco. Aquela coisa de PALMITEIRA e tals
aí eu comentei
"nÃo pOrQuE o eMbRaNqUeCiMeNtO dA rAçA nEgRa é uM pLaNo dE dOmInAçÃo cAuCaSiAnA"
Só trocar branco por negro e temos uma frase de adolf hitler em mãos, olha que legal
"Ah pq vc n pode me comparar a adolf hitler"
odeia judeu mistura de raças e quer ser chamado de quê?
Comentário meio belicoso, é verdade. Mas eu me reservo a esse direito pq ja passei por situações similares na vida. Eu costumo evitar opinar sobre essas coisas nao pq eu ache que n tenho direito de falar sobre (acho isso uma grande imbecilidade, inclusive) mas pra me poupar da fadiga de ter que discutir com gente sectaria e ignorante
Ela me respondeu pedindo que eu por favor apagasse pq apesar dela ocncordar eu sou branco e eu n devia opinar sobre
Eu pessoalmente acho isso extremamente idiota, mss como ela foi super educada, é uma pessoa querida e é claro É NEGRA, tem mil vezes mais vivencia e conhecimento do que eu sobre racismo eu apaguei sem problema nenjum.
O problema é que ela é meio famosinha e um imbecil branco que inclusive eu lembro mt bem de ter chamado o taison de macaco na epoca da copa de 2018 deu rt comentado me chamando de racista e me jogando aos leoes dos seguidores dele.
Aí começou a chover idiota na dm e indiretinha na timeline e eu tranquei meu perfil
Assim. Eu não devia me irritar com isso da forma como eu estou me incomodando.
Mas a verdade é que essa é só a cereja do bolo de desastres que eh a minha vida nos ultimos 3 meses
minha mae adoeceu com covid (ja melhorou) O controle do meu videogame quebrou Eu provavelmente serei reprovado no ultimo ano do ensino medio porque nao consigo render estudando a distancia A escola nao ajuda em nada e olha que ela esta longe de ser a pior das escolas nesse sentido, é o sistema educacional que esta falido dentro dessa coisa de vestibular Eu não consigo sequer me divertir mais fazendo as coisas que eu gosto pq eu simplesmente não relaxo
Eu tô pilhado demais. Estressado. Estafado. Burnout
Tem mt mais merda que rolou, e eu ate ia desabafar aqui sobre ontem, passei 3 horas escrevendo mais apaguei sem querer.
Então por mais que seja uma grande besteira, ser chamado de racista nesse caso acabou meio que causando uma puta crise de ansiedade em mim Sabe quando a cabeça fica cheia, a respiraçao rarefeira e o coraçao dispara em ritmo de frevo e vc fica ao mesmo tempo invonsolavel e puto?
Pois é. E eu tenho que escolher melhor minhas brigas. Pq eu n devo me estressar com imbecilidadezinhas como essa. Deixar passar. Abstrair.
O problema é que eu tô desgastado. Tô com fastio mesmo. Desmotivado. Eu tenho um mundo pela frente, mas que raio de mundo é esse?
O futuro não me parece nada alvissaleiro e eu há anos eu n tenho amigos nem namoro. Eu tô solitario.
E cansado. To ficando muito amargo com essas coisas, mas eu nao posso deixar que elas interfiram de forma negativa na minha vida pessoal.
Claro que inevitavelmente algumas coisas vao transparecer no meu comportamento pq eh assim que as emoçoes funcionam, mas ninguem deve sofrer por causa de problemas dos outros.
Eu que me resolva com minhas raivas e meus traumas.
Eu só queria viver.sabe. eu sinto saudade pra caramba de quando eu ainda tinha uma perspetiva de futuro melhor nao so pra mim mas pra toda a humanidade.
Porque eu acredito que as pessoas não sao más em sua essencia. Que o brasileiro de preguiçoso não tem nada, éum povo trabalhador e sofrido que é taxado com rotulos que deverism na verdade ser atribuidos aos poucos poderosos que há 500 anos fazem o que bem entendem com a sua população.
A gente até esboçou um progresso consideravel dentro de todas as limitações que a sociedade nos impõe: foram 20 anos incríveis. Pode parecer meio absurdo falar isso levando em consiferaçao quem foi eleito, mas imagine pasdar 30 anos sem ter direito de escolher seus representantes politicos e de repente vc nao só escolhe como participa ativamente destes governos.
Goste ou nao do lula (eu mesmo tenho um milhão de problemas com ele), é mt legal ver um torneiro mecanico na presidencia da republica. Eu tbm n gosto do fhc, mas o cara é professor universitário, um educador. A dilma, que ironia, economista. Mas aí pouco importa a profissao: uma mulher no posto mais importante do país.
Claro que as caracteristicad pessoais dos governantes nao necessariamente refletem as práticas de seu governo. O professor universitário só abriu uma universidade e a economista quebrou o país. Mas vcs entenderam o que eu quis dizer - as pessoas votavam em quem mais se parecia com elas, em quem elas colocavam confiança
Então é triste que, por meio de um conjunto de fatores, o candidato da elite desse país tenha vencido: Um milico de novo. E um milico filho da puta que ta deliberadamente matanfo milhares de pessoas por ai.
Mas o bolsonaro querendo ou nao representa aquela minoria repugnante dos brasileiros qur sempre existiu e que permeia todas as classes sociais - aquele imbecil que é preguiloso, vive de ganhar dinheiro burlando leis e passandl a perna nos outros, e que é extremamente escroto e preconceituoso com todo mundo ao seu redor. O tiozao do churrasco. O cara bronco.
Aquelas pessoas que são más em sua essencia. Que te tiram um pouco a esperança de um mundo melhor.
Enfim. Isso era um desabafo sobre minha vida e virou um desabafo sobre política. Peço perdão AI
submitted by tercioteseu to desabafos [link] [comments]


2020.06.06 03:12 docinhodelimaum Web corna mansa

Hi people's,estou aqui para compartilhar algo que me aconteceu na madrugada de ontem pra hoje e espero mtt que os envolvidos não estejam vendo isso. Enfim, eu namoro a oito meses, e eu e meu namorado sempre nos demos mtt bem, e raramente discutimos, mesmo assim eu me sentia mtt insegura em relação de tudo e me acha mtt insuficiente. Sempre prezei pela transparencia no relacionamento, mesmo que eu ou ele ficasse incomodado com a situação e assim iríamos poder resolver numa conversa. Nessa Madrugada, eu a flor da pele dos hormônios da menstruação, resolvi entrar no fcbk do meu amado,(ele sabia que eu tinha acesso ao fcbk dele) e achei umas conversas onde eu me magoei e não esperava, ele apaga bastante conversa pq vi isso em tempo real, ele disse que não falou isso antes pq tinha medo da minha reação, porém eu dei uma segunda chance pra ele, mesmo sabendo que ele podia estar mentindo na mh cara e todos os meu amigos (dps de analisarem clinicamente os prints) dizer para mim não voltar com ele, pois ele estava mentindo e ele ia fazer tudo dnv, porém gosto mtt dele e realmente acho que oq ele falou era vdd e engoli meu orgulho a seco sem direito a copo d'água. Então fui trouxa/babaca de aceitar ele de novo e dar uma segunda chance pra ele (pois isso nunca aconteceu antes e eu realmente confio nele).
submitted by docinhodelimaum to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.27 02:38 macakikah hoje eu tô me permitindo sofrer só pra entender que me livrei de um relacionamento abusivo

É meu primeiro post no Reddit. Faz quase um ano que meu ex-namorado terminou comigo e sumiu sem dar maiores explicações, um ghosting dos mais pesados que eu já levei. Entrei em depressão e sofri com ansiedade depois disso, me recuperei depois de meses de terapia e medicação, mas hoje entrei no assunto com uma colega de trabalho, parte de tudo isso veio à tona e me deixou meio melancólica. As emoções ainda ficam meio à flor da pele quando eu lembro de tudo o que eu passei, mas hoje eu percebo que era um relacionamento abusivo e me dei conta depois que eu saí dele, por motivos óbvios. Ainda sofro com parte das consequências desse relacionamento, mas tô madura o suficiente pra entender que nada do que deu errado foi culpa minha. Vou me permitir sofrer só hoje pra ter consciência que eu me livrei de uma barra pesada, de um namoro que tava me levando ao fundo do poço e que eu só não pude sair antes porque eu não conseguia enxergar o quanto aquilo tava me sugando.
Ainda vou dar orgulho para o meu psicólogo.
submitted by macakikah to desabafos [link] [comments]


2020.04.17 04:11 thebluecoala Eu to definhando.

Eu não sei direito por onde começar, porque é tanta coisa, mas vou tentar manter uma ordem.
Como ta acontecendo com muita gente, a quarentena ta acabando comigo. Eu realmente não to conseguindo lidar com ficar sozinha (ainda que não more sozinha). E essa quarentena apareceu no meio de um monte de problema da minha vida. De certa forma, ela foi um "para tudo que você ta fazendo. você tem tempo de sobra pra pensar", mas eu sinto que pensar nisso não ta resolvendo muito.
Eu namoro a alguns anos já, e apesar de todas as qualidades, meu namorado sempre foi meio acomodado. Não é aquele tipo de pessoa disposta a mudar, a vida ta boa do jeito que ta, se algo ruim acontece, ele não é de se abalar muito, e vida que segue. Acontece que eu sou o extremo oposto, e as vezes os comportamentos dele me chateiam. Não honrar muito com compromissos, não lembrar das coisas, demorar horas pra responder (o que pode parecer algo besta, mas eu não consigo ter uma conversa daora com ele, porque ele responde as mensagens quando ele lembra, o que leva horas). E de um tempo pra cá, parece que esses tropeços vêm me incomodando mais e mais. Tentei conversar com ele sobre várias vezes, explicar que me magoavam, que me chateavam, e ele se mantinha na defensiva. Acabamos brigando também (eu particularmente que puxei a briga) porque eu fiquei doente (nao, não foi covid-19), fiquei internada, e ele só foi me ver no fim de semana (que é quando normalmente a gente se vê). Eu me sinto meio "dormente" e vazia perto dele desde então. É como se ele fosse um estranho. E ao contrário das outras vezes, em que normalmente eu pedia por atenção, pedia pra fazermos algo juntos (jogar ou algo do tipo), eu só não quero mais. Não sinto vontade mais. Quando ele me chama pra conversar, fala algo, comenta e tal, eu converso de boa. Mas quando não... Eu só não tenho energia mais pra correr atrás.
Eu sempre me senti muito sozinha. E sempre tive muito pânico de ficar sozinha. Eu tive várias amizades que passaram pela minha vida e foram embora, e isso sempre doeu muito, e chegou num momento da vida que quando eu fazia um amigo novo, já ficava esperando o que eu ia fazer que ia espantar a pessoa. Bom, chegou num momento em que eu fiz amigos. Amigos de verdade. Amigos que eu me sentia de fato pertencente a um grupo, sabe? (porque os poucos amigos que eu tenho são "isolados", então nunca fui de um grupo). A gente conversa todos os dias, ri, tem piadas internas, e eu não consigo descrever, de verdade, o quanto isso me fez bem. Me ajudou a não ser tão dependente emocionalmente do meu namorado, a poder conhecer pontos de vista, coisas diferentes. E eu me sinto amada por eles, que é o mais importante. Só que as vezes, eu sinto que to perto do momento em que vou espantar esses amigos também. Especialmente um deles, que é meu melhor amigo. Que ele sempre ta ali, sempre ri, me zoa, brinca comigo, e me ouve também. Eu me sinto muito, mas muito amparada sob a presença dele. Eu sinto que quando ele se dispõe a me ouvir, e a me ajudar, tudo vai dar certo. Ele é uma das poucas pessoas que não passa a mão na minha cabeça (assunto pra outro post, talvez?), e me diz a verdade, mesmo que doa. Ele é um anjo. Mas sinto que tudo isso vai desmoronar.
Assim como eu, meus amigos também não estão bem. E nisso eu me sinto mal de não poder ajudar eles, e não saber o que falar, porque sinceramente, eu sinto que to na pior crise depressiva da minha vida. Eu não durmo a noite, morro de sono de dia, meu cabelo ta caindo, minha pele ta descamando, eu to tendo crise de pânico quase toda semana, e pensamentos suicidas quase todo dia. Ás vezes eu só queria sumir, me isolar de vez, e sair da vida dos meus amigos. Eu sinto que sou um fardo, porque sempre tenho essa necessidade absurda de alguém conversar comigo, de alguém me ouvir, de me sentir amparada pelo amor de Deus. De sentir que eu não to "errada", que não tem nada errado comigo, que "ta tudo bem" sofrer pelas coisas, e que logo vai passar. Mas não vai. Nos ultimos 15 dias eu tive uns "surtos" fortes, aonde eu chorei, xinguei e desabei de madrugada. Minha melhor amiga, minha prima e um amigo meu estavam lá por mim, conversaram muito, deram suas opiniões, tentaram me acalmar, mas só funcionou no momento. Coisa de dois dias depois eu tava me sentindo uma otária por despejar tudo que eu sinto neles. Eu decidi que ia me isolar. Mas não consegui. Meu melhor amigo pareceu estar melhor (porque ele ta mal também) e andou me chamando bastante pra conversar. Hoje por exemplo conversamos o dia todo, praticamente. E nisso eu fico na dualidade de "eu gosto tanto de conversar com você" e "eu preciso sumir da sua vida, porque eu sou um fardo e sou a pior coisa que podia ter te acontecido". Queria poder fazer mais por ele, mas como fazer algo quando você só consegue concluir que a solução pros seus problemas é a morte?
Minha irmã (que é a pessoa que eu mais amo na vida), me disse no meu aniversário, que não me sentia feliz. Que quando ela olhava pra mim, principalmente na presença do meu namorado, eu parecia infeliz, triste. Isso pesou muito, sabe? Saber que, mesmo eu tentando esconder tudo isso dentro de mim, ainda ta dando pra ver pelo meu olhar, dói. E eu só não sei mais como fazer. Amo meu namorado, mas sinto ele afastado de mim, e eu dele, e enquanto eu morro por dentro por isso, ele parece não achar que tem algo errado. Amo meus amigos, mas não quero me sentir um estorvo na vida deles. Não quero ser a chorona depressiva que só os procura porque ta sozinha. Não quero mais amar tanto meu melhor amigo a ponto de assustá-lo, a ponto dele achar que sou só uma idiota que gosta da atenção que ele me dá. Não quero mais ver meu corpo definhar, deteriorar porque eu não tenho vontade de sequer estar viva. Eu não tenho motivação pra nada. Pra mais nada.
Desculpem-me pelo texto enorme, eu precisava tirar isso do meu peito de alguma forma. Eu não quero que essa seja mais uma noite em que eu vou dormir chorando. Me desculpem pelo drama todo, e pelo texto não ter um foco só. Eu só sei que eu to infeliz. Que eu to triste e com raiva de mim mesma.
Obrigada se você leu até aqui...
submitted by thebluecoala to desabafos [link] [comments]


2020.03.25 20:41 Upa-upa-puxadote Arrufos em Alto-mar

A sereia atonou até à cinta, de rompante. Com os punhos amuados, maltratou a frol das ondas, chapinhando com veemência. Uma vaga mais forte encapelou-se, mas a sereia, graciosa e lesta, esgueirou-se ao arrastão. Desenvolta, sacudiu os cabelos cerúleos, que chibataram o ar, com um rasto de respingos salgados. Então gorjeou para o navio, para que o Corta-línguas traduzisse.
«Então?» instou o fidalgo, debruçado sobre a amurada, rabeando os olhos entre a sereia e o Corta-línguas «Qual é a resposta dela?»
Engoliu em seco. Já tinha os cantos da boca inchados e vermelhos, com boqueiras. Suspirou e, num tugido, acanhado e cabisbaixo, explicou:
«Ela recusa, senhor. Diz que não quer…»
«Mas explicaste-lhe que a amo? Disseste-lhe que não suporto a ideia de viver sem ela? Que a quero desposar, a ela e a mais ninguém?» teimou o fidalgo, tomando o Corta-línguas pelos colarinhos à força e obrigando-o a arrostá-lo de perto.
«Sim, meu amo», afiançou fitando-o, amedrontado.
«E ela quê?»
«Não quer…» encolheu os ombros, esmorecendo-lhe a voz.
«Diz-lhe outra vez, caramba!» exaltou-se o jovem nobre, arrojando-o contra a amurada da embarcação.
O Corta-línguas expirou fundo. Procurou recompor-se, como pôde. Deitou dois dedos aos cantos dos lábios, esbeiçou, e soltou um trinado. Esmerou-se por encontrar as palavras certas, os tons mais adequados para veicular os votos de amor do nobre.
A sereia, porém, atalhou-lhe a cantiga. Chapou as águas com a cauda.
«♫ Escusas de traduzir… Já sei o que é. Está a dizer que me ama, outra vez, não é? Põe-se sempre com olhinhos de carneirinho mal-morto, quando diz que me ama…♫» bufou a sereia, cruzando os braços e deitando-se de lado sobre as águas que, entretanto, haviam serenado. Apartou os cabelos da frente dos olhos e relanceou para Duque, sondando-o. «♫ Ele aceitou, ao menos?» Inquiriu a mulher-peixe.
«♬ Hã… não… nem por isso ♬»
«♫Olha, temos pena ♫», resmungou. Sem meias-medidas, deu um salto de golfinho à rectaguarda, e embrenhou-se nas profundezas, com um chapão aparatoso, cortando abruptamente com a conversa.
«Então, ela que respondeu?» tornou o Duque.
«Que é uma pena»
« "uma pena”? Como assim “uma pena”?»
«Diria que vos estava a rejeitar, meu senhor»
«Como dizes?» atroou o fidalgo, o sobrolho içado de indignação «A mim? Rejeitar-me, a mim?» recachou, deitando uma mão ao peito com afectada teatralidade. Depois, como se a ideia se lhe afigurasse um absurdo ridículo, bufou uma gargalhada abafada. «Qual quê! Foste tu!» rematou, empurrando o Corta-línguas contra a amurada. «Seu burgesso», tornando a tomar o intérprete pelos colarinhos «Foste tu que a insultaste, de certeza. Foi alguma cadelice que lhe disseste. Foi a ti que ela rejeitou!». Agarrou o Corta-línguas pelo cachaço e, numa guinada, voltou-o e debruçou-o sobre a amurada, pronto a larga-lo borda fora.
«Fica sabendo, há anos que a namoro. Anos.» frisou «E nunca me rejeitou. Nunca me dirigiu, se não sorrisos e meneios».
«Perdão, senhor. Mil perdões… tenha piedade» o Corta-línguas desdobrava-se em desculpas. A fola das ondas cada vez mais próxima, abafava-lhe a voz.
«Meu amo» interrompeu o Capitão da embarcação
«Sim?!» respostou, sem se dignar a encará-lo «Estou ocupado» acrescentou, entredentes, esboçando um sorriso de fera.
«Os homens da chusma têm fateixas e redes. Com a Sua vénia, facilmente a apanhamos» informou, secamente
O Duque largou o Corta-línguas. E pôs-se a congeminar.
O Corta-línguas apeou-se. Afastou-se da amurada e, ainda ofegante do susto, advertiu o fidalgo impetuoso, munido de uma coragem que desconhecia possuir
«Se o fizerdes, meu amo, ela nunca vos perdoará. Nenhuma mulher, nem as que são meio-peixe, se quer ver cativa. Guardar-vos-á rancor.» os olhos do fidalgo relancearam para o Corta-línguas, as pupilas trémulas. «As sereias cativas acabam por morrer subitamente, senhor. É sabido. Desfalecem, vítimas de banzo do mar e melancolia do cárcere. Não o façais. Crede-me.» asseverou o Corta-línguas.
«Amo-a» repetiu o fidalgo «Quero-a por esposa. Mas quero-a com pernas, não com rabo de peixe. E é possível» expendeu, deitando a mão ao interior do jaqueta de onde sacou uma garrafa de vidro da boémia «com este elixir- garantiram-mo, com certeza absoluta- ela há-de perder o rabo de peixe e ganhar pernas. Sofridamente, é certo.», reconheceu «Mas tão-só por três dias, nada de mais… depois já a poderei apresentar a meus pais» tentou obtemperar, ainda.
«Chama por ela, Corta-línguas» rogou o nobre, já de olhos marejados «Por favor…».
«Por duas vezes lhe expliquei os seus planos, meu amo. Mas ela não acede.» encolheu os ombros «Aliás, ela pretende que Vossa Mercê se junte a ela, nas profundezas marinhas. Diz que conhece uma bruxa do mar, capaz de vos transformar as pernas numa bela cauda de peixe. Sem quaisquer dores ou padecimentos…» relatou.
«Essa é que era boa! Eu? De rabo de peixe? Era o que faltava… olha que esta…» desdenhou o jovem. «Anda lá, chama por ela outra vez, Corta-línguas… à terceira é que é de vez…» ordenou, enxotando-o com adamanes, para ao pé da amurada.
Resignado, o Corta-línguas pegou no búzio e quando se preparava para tornar a cornetar, reparou que a sereia continuava por perto, observando o navio, debaixo de água. Assim que o viu de búzio nas mãos, subiu à superfície. Ansiosa, trissou:
«♬ E então? Já ganhou juízo, o meu príncipe? ♬»
«♫Tem dó, filha do Mar. Ao meu senhor não basta ter uma cauda de peixe. Ele não consegue respirar debaixo de água. Tu bem que podes respirar dentro e fora dela, mas ele não! ♫» pleiteou o tradutor.
«♫ Já sabia… Eu já sabia» barafustou a sereia «Vem sempre com desculpas… Sempre… não é capaz de fazer um sacrificiozinho que seja. Não!» rematou, amuada.
Mas antes que o intérprete pudesse dizer fosse o que fosse, a mulher-peixe voltou-se para o encarar «♫ Quando se ama uma pessoa faz-se sacrifícios por ela. Quantas vezes não me esfolei sentada, em escolhos e rochedos, para nos encontrarmos? Quantas vezes não ressequei ao sol? Constipei-me noites sem-fim, à custa dele… E ele não é capaz de se livrar daqueles penduricalhos horrorosos, por mim?» cruza os braços, abespinhada. «♫ Diz… diz-lhe que não posso ser sempre eu a ceder. Ele também tem de fazer sacrifícios, se quer levar esta relação avante ♫» pediu a sereia
«♫Menina das ondas… tem dó… ele não é capaz de respirar debaixo de água» tornou
«♫ Chega! Estou farta de desculpas parvas. Eu… eu também gosto dele… eu quero ter os alevins dele, mas como é que vou fazer isso se ele não pode ir à desova? Vou pôr as minhas ovas onde? Na boina dele?»
«Corta-línguas, então? Ela aceita?» intrometeu-se o Duque, impaciente.
«Está a recalcitrar, senhor. Ela está… está mesmo enfadada consigo»
«Às coas!» gritou o Duque, voltando-se para os marujos «Não ficai aí especados, às coas! Já disse.» ordenou, apontando para as redes. «Ai ela está com coisas? Vou enfiá-la num tanque por um mês, a ver se ela não muda já de ideias…»
Os marujos ficaram quedos. Sem saber o que fazer. «Capitão, que se passa com a chusma? Engajaste uma pandilha de moucos?»
«Meu senhor, a chusma recusa-se a apanhar a sereia. São gente simples, sabe… cheia de superstições e abusões de marinheiro…. Macaquinhos no sótão, sem pés nem cabeça, é certo… Mas, estão convencidos de que se apanharem a sereia vão enfurecer os mares…»
«Enfurecer os mares?»
«Sim, excelência, o grosso da chusma são pescadores e eles temem que o povo do mar se revolte contra eles se se souber que eles andam a raptar sereias…»
«Cambada…» vociferou o príncipe «Fica sabendo, quando atracarmos vou mandar-vos açoitar. A todos. Ides encher-vos de tantos vergões que até as camisas na pele vos hão-de doer» ameaçou
«Por favor…» o Corta-línguas pediu silêncio «Ela está a dizer qualquer coisa»
«♫ Já me chega» resmoneou a sereia «Vou-me embora. Dragomano, diz ao meu príncipe que se decida de uma vez.» inquieta.
De seguida, acrescentou ainda «E diz-lhe que eu sou uma sereia séria. Não vou andar com ele por aí, feito estrela-do-mar de quatro braços. Se só ele quer andar por aí na marmelada nos areais, há outras sereias sirigaitas, que de certeza que não se hão-de importar.»
«♫ filha do Mar… por favor...»
«♫ Ei! Ainda não acabei. Sou uma sereia adulta, casadoira, preparada para desovar. Se ele, deveras, me ama, então que arranje uma cauda de peixe e guelras, como um tritão normal. Caso contrário, já não quero saber dele para nada. Conta-lhe.» intimou
O Corta-línguas reproduziu o ultimato da sereia o melhor que pôde.
«Ah, insolente!» Barafustou o Duque «Olha, diz-lhe que vá bacalhoar, então» e virou costas
«♫ Ele que respondeu?»
«♫ Não quer a cauda» encolheu os ombros o tradutor
«♫ Ai é?... polvos o fodam» e submergiu, com um chapo violento
submitted by Upa-upa-puxadote to escrita [link] [comments]


2020.03.16 18:46 SiriusCasanova Estou a me declarar para a única garota que eu amei... pela segunda vez

Minha história é o seguinte, 7 anos atras eu comecei a namorar essa garota, amiga de uns amigos. Nosso namoro, na época, tinha um prazo de validade, afinal eu estava indo morar na Inglaterra no ano seguinte. O combinado era: não vamos namorar a distância, não tem como dar certo (eu ia morar lá 15 meses), mas blz, o namoro começou assim e sabíamos do que ia acontecer, por isso tudo nosso foi muito intenso. 1 ano e meio depois, lá fui eu morar na Inglaterra, foi aquele drama, e aquele vazio no coração. Neste tempo, eu nunca namorei outra pessoa (não por falta de oportunidades), nunca senti nada do que eu senti por ela por outra pessoa, e logo quando estava para voltar pro Brasil eu estava decidido que ia pedir pra reatar. Para a minha surpresa ela não quis, aparentemente estava com outro garoto e não queria estragar tudo. Eu fiquei quebrado, triste, com raiva... tudo. Se pudesse voltar atras e pedir para namorar a distância eu pediria. Nessa época (~5 anos atras) eu decidi tentar seguir a vida e foda-se essa história. O negócio é que eu NUNCA superei ela, nenhuma garota é bonita que nem ela e nenhuma garota é legal que nem ela. Eu sei o quão meloso isso soa, mas na minha mente é assim. Nesses últimos 5 anos, também nunca namorei e sempre que me aproximava demais de alguma outra garota, eu acabava tudo abruptamente, não conseguia tirar ela da cabeça. O tempo se passou e ela foi morar na Europa para fazer mestrado (~2 anos atras), então eventualmente perdemos o pouco do contato que tínhamos (contato esse que foi ficando cada vez mais escasso... e estranho). Acontece que há umas 3 semanas atras eu resolvi checar o instagram, coisa que nem uso direito, e ela estava passando carnaval aqui no Brasil. Lógico que eu tinha que chamar ela pra sair e foi o que eu fiz. Ela topou e resolvemos sair para tomar um suco. Cara... eu quase não consegui sair, antes de encontrá-la meu coração estava indo na minha garganta e eu já tinha ido no banheiro umas 50 vezes. Fiz uns exercícios de respiração para acalmar, botei música no ultimo volume no carro e fui... e tudo voltou a flor da pele. Ela continua linda e maravilhosa, e eu um boçal. Saímos e conversamos por quase 3h só sobre coisas banais. Nos despedimos e seguimos cada um seu rumo. O ponto é, eu to ficando louco! Minha terapeuta acha que eu to apaixonado demais e que eu devo me declarar de novo e fechar o ciclo dela. Estou disposto a fazer isso, claro, só que eu não quero atingir o fundo do poço que nem atingi 5 anos atras. To com medo de quebrar a cara de novo e fuder qualquer chance futura com ela, afinal nunca 'terminamos' por causa de brigas ou algo assim, sempre nos demos bem. Meus amigos acham que eu devo esquecer ela ir para a balada pegar mulher (como se eu já não tivesse tentado isso). Mandei mensagem para ela chamando para sair de novo e ela me respondeu ''bora sair semana que vem'', o que eu não estou levando como bom sinal. Não aguento mais, não consigo parar de pensar nela, mas minha visão pessimista da vida tem certeza que serei rejeitado de novo... e vai doer.

Tentei resumir o máximo possível, tem MUITA coisa nossa nesse meio tempo, mas basicamente é isso
submitted by SiriusCasanova to desabafos [link] [comments]


2020.02.10 15:30 KNWRV Escrevi esse conto e gostaria de um feedback

O funeral
Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.01.16 01:33 KNWRV O Funeral

Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to escrita [link] [comments]


2020.01.10 16:41 KNWRV Vejam oq vcs acham desse meu conto

O funeral
Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to Contos [link] [comments]


2019.07.09 12:18 lipherus Íbis — Capítulo I

Bom dia, é a primeira vez que escrevo em primeira pessoa e gostaria de opiniões. =)
“A voz dos deuses e escolhida de Thot. No começo, era apenas uma Oráculo. Depois, uma bruxa queimada na fogueira do deus pagão. Espírito vagante sem salvação. E agora, protegida pelo crepúsculo Retorna aos braços d’Aquele que sempre a amou. Sob as asas d’Ele, ela se abrigou. E descansou.”
O pequeno e singelo poema cortou o silêncio do salão. Eu estava trêmula e ofegante, pois estava atrapalhando a palestra do meu professor e a grande oportunidade de sua carreira. Os estudiosos olhavam para Heru e depois para mim, à espera de alguma cena dramática que não aconteceu. Ele apenas desceu do palanque e me alcançou, sorrindo e igualmente trêmulo ao tomar o papel de minhas mãos. Murmurou agradecimentos e disse estar surpreso com a tradução, porque aquelas palavras deixavam explícitas que os antigos egípcios eram capazes de prever o futuro. Prometeu uma conversa sobre o papiro depois e pediu que eu me retirasse, mas não sem antes me agradecer de novo. Ao fechar a porta, explodo em lágrimas emocionadas e cansadas. Traduzir o poema foi um trabalho árduo de quase quatro anos, para no final descobrir que Thot havia se apaixonado por uma mortal e enterrou seu corpo em uma tumba sem glamour. Ele queria que sua amada permanecesse anônima, mas que ainda soubessem a quem pertencia. Ela não tinha um nome e sequer corpo, todavia sua existência estava cravada nas paredes de pedra do sarcófago. Levanto-me orgulhosa e volto para o laboratório, à procura de mais pistas sobre os amantes. Havia algo que ainda não tinha visto nas marcas e, mexendo em alguns pertences, um pingente em forma de meia lua cai no chão. Não sou perita em metais preciosos, mas sei que seguro algumas boas gramas de ouro puro. Procuro por escritos no verso da peça, e nada encontro, salvo os hieróglifos que remetiam a Osíris e Thot. Um presente para o deus do submundo? Depois de catalogar o colar, volto minha atenção aos textos até sentir dor de cabeça e sentar na cadeira. — Nailah, o professor Heru te chama no salão de convenção. Engulo em seco e vou até ele, esperando uma bronca por ter interrompido a palestra. Porém, ao entrar, fui recebida por salvas de palmas fervorosas. Ele me abraça e pede que explique aos demais sobre a descoberta, já que o mérito da tradução é todo meu. Sinto um misto de vergonha e emoção, porque Heru não tomou os créditos para si e deixou que eu, uma mera assistente, falasse aos melhores profissionais do mundo por horas a fio. Ele ficou ao meu lado para explicar alguns termos que não conheço, simplificar perguntas e traduzir algum outro idioma que não entendo. Ao terminar, pude respirar. Estou tão cansada que é difícil manter os olhos abertos e pensar, mas eu ainda preciso falar com ele. Despeço dos outros por alguns minutos e Heru me abraça de novo, sugerindo um jantar antes de irmos para casa e dormir. Aceito e nós fechamos o laboratório depois de pegar algumas coisas. "Sob as asas d’Ele, ela se abrigou.” É engraçado como essa frase ecoa na minha cabeça quando estou andando lado a lado com Heru. Eu o conheço há quase dez anos e nunca deixei de me sentir protegida e iluminada por sua presença. Ele é alto e imponente, com a pele tão preta que é quase avermelhada, e olhos espertos e pretos. Mas, basicamente, Heru Monterrey é um cachorro grande e bonachão que ladra e não morde. É muito fácil deixá-lo magoado e à beira de lágrimas, se quer saber. E eu amo ver esse lado sensível e frágil do meu professor, pois o torna humano e acessível. Ninguém imagina que um pesquisador de renome como ele é coração mole. — Eu encontrei isso. — entrego o colar em suas mãos. — Estava perdido no meio dos papéis. Parece que é uma oferenda a Osíris e Thot. — Ou uma oferenda de Thot para Osíris? Coço a cabeça e suspiro. — Não tinha pensado nisso. — confesso. — Nailah, você está esgotada e eu acho que deva tirar umas férias. — ele toca no meu rosto. — Eu estou pensando em dar um tempo também, podemos viajar juntos. — Quem convida é quem paga, viu? — empurro ele com meu ombro e sorrio. — Seria uma bênção poder dormir até tarde. — Pode ficar com a lua. Pego o colar e olho pra ele, chocada. Sabe-se lá de quando é a oferenda e Heru estava entregando casualmente pra mim, como um pingente comprado numa loja qualquer. Abro a boca inúmeras vezes, mas nenhuma palavra decente sai dela e só me limito a levantar as tranças pra facilitar o trabalho dele. Heru me julga por um tempo, ajeita e mexe no colar até deixá-lo bem em cima do meu coração e ficar satisfeito. — Tem certeza? — murmuro. — Isso é da sacerdotisa e não quero que Thot venha me assombrar. — Se Ele deu pra amada d’Ele, acho que não ficará bravo se eu der pra minha, não acha? Abaixo os olhos, subitamente tímida. Nós sempre brincamos com nossos colegas, que consideravam-nos namorados, mas ele nunca falou tão sério quanto aquele momento. Mordo meus lábios e seguro sua mão, sem dar resposta, mas deixando claro que se aquele é o sentimento dele, então é recíproco. Às vezes palavras não ditas fazem mais efeito do que aquelas expressadas aos quatro ventos. — Comida japonesa? — Heru pergunta para quebrar o gelo. — Depois umas doses de anti-histamínico pra não morrer de alergia? — Combinado. Saber que ele é apaixonado por mim tanto quanto sou por ele fez um bem danado pra minha auto-estima. Se antes e em algum momento da minha vida achei que não era bonita ou capaz, estava completamente enganada. Ouvir dos lábios dele que minha inteligência e devoção foram fatores cruciais para que ele se interessasse, tornou-me tão inchada quanto um balão. Depois, Heru começou a enumerar minhas qualidades físicas e só parou quando eu estava com a cara quente e prestes a surtar. Eu sou brasileira e me orgulho disso. Meu país tem os problemas dele, assim como os Estados Unidos também têm, mas nunca pensei que estudar na Unesp ia me levar até onde estou. Lembrei das noites acordada estudando infindáveis textos, das vezes que quis desistir e da minha felicidade por ter sido aprovada na faculdade que ele dá aula. E passei a amar meu corpo em forma de pera, os cabelos trançados e coloridos e, acima de tudo, a cor da minha pele. Antes tinha um grande tabu comigo mesma, por ser preta e ter uma posição de destaque, mas conforme fui aprendendo na faculdade e com a vida, percebi que estar ali é um mérito do meu esforço triplicado. No final da noite, eu e Heru transamos e dormimos juntos. Foi o momento em que eu o vi mais vulnerável, conheci cada cicatriz de seu corpo, os problemas que tinha, as marcas... Tudo. Ele se entregou completamente e assim também fiz, mostrando-lhe as feridas que tenho da época em que me afundei em depressão e cortei meus braços e pernas. — Bom dia. — ouço seu preguiçoso resmungo enquanto ele aperta minha barriga. — Agora posso morrer em paz. — Quer parar com isso? — começo a rir e abro meus olhos. — Bom dia. — Eu sempre quis apertar sua, como é que você chama? Pança. — seu português falho é particularmente adorável. — Eu amo essas dobras, sabia? — Heru! Para, sua mão tá gelada! — Tá bom, tá bom. Permissão pro abraço? — Concedida, senhor Monterrey. Enquanto ele toma banho, vou preparando o café da manhã. É inconsciente, mas eu checo minha barriga e conto as dobrinhas, três no total, pensando em como Heru pode achar aquilo interessante. Ouço seus passos ecoando pelo corredor e me viro para olhá-lo, namorando a cena do homem enrolado na toalha e molhado ainda. Ele se aproxima e ajeita a lua, jogando as tranças sobre meus peitos para tapá-los e evitar que eu pegue mais friagem. Seguro sua mão em meu rosto e fecho os olhos, sorrindo como a trouxa que sou. — Vai querer viajar? — Onde pretende ir? — roubo um selinho dele antes de servir a mesa. — Não vai entregar o artigo científico sobre a tradução? — Não está escrito em lugar algum que sou obrigado a trabalhar durante minhas férias. — ele dispara. — Pensei em alguma praia, sei lá. — Negão desaforado. — acerto a colher de pau na cabeça dele. — Praia é muito clichê e eu não sou muito fã do frio. — Patroa difícil de agradar, viu? Sento ao seu lado e começo a rir. Ele está tão à vontade que até parecemos casados há eras, e eu só sinto que vou desmanchar de felicidade. Nós conversamos um pouco mais sobre a tradução e Heru corrige o inglês, reclamando do quanto sou ruim para escrever. Tal afirmação me ofendeu um pouco, já que escrevo fanfics durante minhas folgas e nem formado nisso ele é. Começo a julgá-lo em silêncio e ele percebeu que tinha me magoado, em seguida pediu desculpas atrapalhadas e disse que ama minha escrita. — Como você imagina Thot de personalidade, Nailah? — Meio parecido com você, mas muito mais apaixonado pelo trabalho. Ele foi um carinha muito ocupado, até ajudar Osíris no submundo ajudou. — acendo meu baseado e deito no sofá enquanto Heru escreve no computador. — Curou o olho de Hórus quando Seth arrancou, depois ensinou magia para Ísis poder reviver o marido, luta contra Apófis quando Amon-Rá traz o sol... Tudo isso e ele ainda fez o calendário e desenvolveu os hieróglifos. — Você tem uma admiração enorme pelos deuses, hum? — A mitologia egípcia é linda, se me permite dizer. Tudo é tão conectado e diferente ao mesmo tempo... A gente não sabe nem um terço do que eles acreditavam e criavam. — E a sacerdotisa? — Não tenho uma imagem dela. — ofereço o cigarro pra ele. — Mas deve ser alguém de personalidade parecida com a de Thot, porque ela pegou o cara pelo colarinho mesmo. Uma pena que não seu nome em lugar nenhum, ia ser muito interessante conhecê-la melhor para entender como funciona esse lance de deuses e amores mortais. — Você viu isso? Sento no colo dele para ler o artigo de um colega nosso, o qual afirmava que Sekhmet e Anúbis tinha um relacionamento secreto. Para mim e meu conhecimento, a afirmação é errada pois eles eram deuses sem sintonia alguma. Ela é a deusa da guerra, tão furiosa que Rá precisou enganá-la com vinho para acalmar seu frenesi sangrento. Já ele parece ser mais pacato e melancólico, servindo fielmente ao propósito do julgamento da pena e à proteção da mumificação. Parecia impossível imaginá-los juntos. Ao terminar de ler, porém, comecei a ter minhas dúvidas sobre o que conhecia até então. — Será que existe algum documento que prova essa teoria? — Antes de Osíris ser quem é, Anúbis tinha o mesmo papel que ele. — Heru contestou ao soprar a fumaça na minha nuca. — Se Sekhmet matou os homens através de sua ira, é bem provável que tenha o encontrado durante a caminhada. — Mas tem uma teoria que diz que Sekhmet é uma face de Hathor e Bastet... Será? — Em Mênfis, ela foi esposa de Ptah e mãe de Nefertun até Mut e sua Tríade tomar lugar e ela passar a considerada como a própria Mut. Nossas informações são bem escassas e temos várias ideias do que pode ou não ser. Cada região tinha seu próprio mito, quem sabe o Richard esteja certo e apenas olhando para outro lugar que não vemos? Deixamos a discussão pra lá quando pegamos fogo levados pela maconha. Quando paro pra pensar nisso, me sinto um pouco culpada por levá-lo ao mau caminho, apesar dele ser bem mais velho que eu. Mas a erva funciona como uma válvula de escape para nós e não é algo que fazemos sempre, resumindo nossas brisas às escavações e trabalho. Pela primeira vez desde que fazemos isso, é que nos preocupamos em elevar a coisa para um nível mais pessoal e físico. Eu namoro o rosto distraído dele e lembro de tratar os arranhões que deixei em suas costas, ouvindo-o dizer coisas em árabe que não fazia nem questão de traduzir. Heru levanta-se num supetão e vira o meu colar, anotando os hieróglifos em um papel improvisado e resmunga ao voltar a deitar. Já sei que tenta entender a oferenda e pronuncia as palavras em sequências variadas, até fazer sentido. Toco em seu lábio para fazê-lo se calar e me aninho em seu abraço. Só hoje, querido, não falemos em trabalho. Roço meu nariz por seu rosto quadrado e reclamo da barba áspera, mas sinto-me protegida por seus braços e mãos sempre geladas. Heru beija a minha testa e desenha com os dedos na minha bunda, me fazendo rir. Ele se lembra de me agradecer pela tradução de novo e mais outras vezes, reforçando o quão honrado se sentiu por me ter como sua assistente, amiga e agora parceira. Confessa que estava a um passo de desistir do texto e eu, novamente, rogo-lhe que não falemos de trabalho. Mas meu amado professor não está contente e me implora para que façamos um artigo sobre Thot e sua amante ao voltarmos de férias.
submitted by lipherus to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.06.05 13:58 Jakobi_ pego no flagra

É o seguinte, ontem foi a festa junina do meu colégio (estou no primeiro do medio, plenos 15 anos), e a amiga da minha "semi-namorada" (eu ia pedir em namoro) chamou p ir na casa dela (no caso, na casa da namorada), e eu fui. A questão é que eu acho q ela não queria q eu fosse, mas eu fui. Faltei treino pra ir, já que eu ia ter q sair mais cedo dele p ir na festa mesmo. Chegando lá, vi que elas tavam bebendo, a mãe dela sabia q ia ter meninas la, mas nao sabia de mim nem das bebidas, a questão é q a mae dela trabalhava em outra cidade então estava razoavelmente safe. Minha SM (usar pra me referir a seminamorada kkk) ficou obviamente tonta e fomos pro quarto dela. Eu, responsável, mesmo com os hormônios a flor da pele, sabia q n podia passar dos beijos, 3is que acontece a cagada: abre a porta e entra a mãe dela no quarto.
Coi uma surpresa pra todo mundo a mãe dela chegar cedo, quando ela viu a gente ela me expulsou da casa junto com as duas amigas da SM q tavam la, mãe dela gritou comigo falando q não queria mais me ver lá nunca, eu tentei controlar a situação falando q n era por mal e eu n era qualquer piá, mas ela continuou gritando, brigou com a SM, falou q nunca mais ia confiar nela e q ela tinha quebrado a regra da casa. Quando eu saí com as 2 amigas, ficamos na porta esperando o elevador, e essa provavelmente foi uma das piores experiências emocionais que eu tive na minha vida, ficar trancado pra fora ouvindo a mãe dela descer o cacete nela e ela chorando, e eu inútil pra fora sem fazer nada, nossa melhor amiga chorando e eu quase também, tentando acalmar. Estragou completamente nossa noite, nossa amiga não dancou, SM foi só pra dançar, vigiada totalmente pela mãe, e eu fiquei me sentindo um babaca inútil até agora, pensando no que fazer. Acho que hoje de tarde vejo ela no curso, e tomara que tudo volte ao normal
Se vc leu até aqui, obrigado por entender os problemas de um adolescente pq eu tenho ctz q vc ja passou por coisa parecida kkkkkk, to desabado :(
submitted by Jakobi_ to desabafos [link] [comments]


2019.03.19 01:44 cacowxou Descobri que namoro uma mulher trans

Olá gente, é o seguinte: Namoro faz seis anos com essa pessoa que até setembro do ano passado, a conhecia como homem. Nós sempre fomos muito grudadas, sempre conversamos sobre tudo, porém, sempre notei algo de peculiar. Nosso namoro começou quando eu tinha 14 anos, quase 15, e ela 16. Foi um começo de namoro digno de filme hollywoodiano. Logo, ela foi estudar no mesmo colégio que eu, cursamos o 2 e 3 ano juntas. (Desculpe se eu errar pronome, ainda estou em fase de adaptação) Eu acabei me afastando de meus amigos, e ela dos dela, por questão de ciúmes e porque fazíamos tudo juntos, menos cagar. Eu tenho depressão desde os 11 anos de idade, ela não entendia o porquê. Com o passar do tempo, ela disse ter depressão também, porém no caso dela eu realmente não entendia o porquê, pois ao contrário do meu caso, que foi por motivos de um pai completamente abusivo, a família dela sempre foi muito boa, ela não passou por grandes perrengues na vida... Isso me deixou com a pulga atrás da orelha. Com o passar do tempo, percebia um jeito um tanto quanto feminino, não me importava pois eu gostava do jeito dela, mas ela era uma pessoa muito desengonçada e nunca se arrumava, usava roupas velhas, e coisas assim. Eu sempre fazia perguntas do tipo "você é gay? você é bi?" em busca de entender o que eu sentia que tinha de errado e ela não me contava. Nosso namoro nos 2 últimos anos foi da mal a pior, ela nunca se arrumava, usava roupas velhas mesmo eu dando inúmeras roupas de presente, só reclamava de dor ali e acolá, não preparava nenhuma atividade para fazermos final de semana, não me dava muita atenção e cada vez mais foi se enfiando na tela do celular. Eu fui perdendo o gosto pelo relacionamento, pelo sexo, pela companhia... Faz um ano em que ela entrou num grupo de D&D e está até criando seu próprio sistema com outros amigos, amigos esses que me aproximei, eu acho mó daora, porém, ela me afastou de tudo, arrumou amigos e eu fiquei sozinha nisso sabe? E eles se reúnem todo domingo. Nós praticamente só temos o sábado para fazer algo, e sempre que ela aparece eu fico triste, pois basicamente ficamos em casa, e ela o dia todo no celular respondendo esses amigos. Descobri que ela era trans em setembro de 2018, foi num momento na minha vida que finalmente estava conseguindo sair da depressão, depois de 9 anos nisso, eu tava muito bem, ela estava muito doente como sempre e fui ajudar a arrumar a casa dela e cuidar dela, quando chegou a noite, fui conversar pra tentar entender o que se passava com ela e me surgiu a ideia de perguntar se ela era trans, só foi algo que veio na mente mesmo. E ela me respondeu com um "talvez" querendo dizer sim só que sem querer dizer... E aí meu mundo caiu. Eu sou bi, e luto pelos direitos LGBTQ+, porém quando você enfrenta a situação na pele você percebe que não é tão fácil como parece. Eu chorei por mais de um mês, comecei uma terapia pois eu não sabia com quem falar sobre isso, ninguém entenderia. Estou num misto de insatisfação no relacionamento com um grande medo de quando ela começar a tomar os hormônios, fico muito feliz por ela estar encontrando seu lugar no mundo, mas está sendo muito difícil passar por isso, me sinto numa espécie de luto, tudo aquilo que eu imaginei um dia ou conheci está mudando, e ninguém nos ensina a passar por uma coisa assim. Ela não tem dinheiro pra nada, a mãe é irresponsável, e por muito tempo eu paguei as coisas para ela pois não queria que ela deixasse de ir aos poucos lugares que íamos por ela não poder pagar. Eu cobro atenção dela, cobro que ela faça alguma coisa, pois apesar de eu a amar muito, é muito peso pra uma pessoa só. Um dia eu me abri na frente de 2 amigos dela que sabem que ela é trans sobre o quanto eu estou sofrendo no momento, pois além disso tudo, estou passando por um período muito turbulento em que meu pai e minha mãe estão se separando e meu pai está ameaçando minha mãe de morte e etc. Esse amigo me falou "talvez eu seja grosso no que eu irei te falar, mas o foco agora é sua namorada" como quem diz que eu não tenho direito de sofrer. Eu quase me matei faz 2 semanas.
Resumindo: Namoro a 6 anos, o namoro tá uma bosta faz 2. Em setembro descobri a transsexualidade da minha namorada (M>F), juntou com minha depressão e o abuso psicólogico que estou sofrendo, não aguentei. Não sou uma pessoa transfóbica, só não estou sabendo lidar com o luto que sinto. Me sinto muito só, sem amigos para conversar sobre as coisas que estou passando e minha namorada está muito sensível a tudo e muito distante de mim. O que eu faço?
submitted by cacowxou to desabafos [link] [comments]


2018.12.08 03:38 IkenakTaog Meu suicídio - Nota 0.1

Esses dias andei pensando bastante e acabei saindo com meus amigos e dormindo fora, foi divertido, eu sinto que acabei relaxando mais de toda toda aquela minha paranoia que possivelmente criei devido a certos problemas amorosos.
Eu acabei pega uma bronca da minha amiga e de certa forma ela é alguém importante para mim e isso acabou me deixando mais alerta sobre minhas recentes atitudes, como posso ficar tão babaca por conta de um termino de namoro, simples até, mas que, deixou uma grande marca em meu peito.
Após esse périodo conturbado fiz escolhas idiotas e pedidos nada certos para amigas que no momento devem ter uma imagem totalmente suja minha.
Espero de verdade que consiga melhora, eu quero melhorar, talvez, essa seja minha defesa emocional.
Uma amiga minha da escola, deixou bem claro o possivel problema, "eu estou apaixonado" foi o que ela disse, concordo, mas, muitas vezes pensei sobre estar "apaixonado" ou "amando" e deve tá claro, o resultado. Acabei percebendo o medo que sinto de me envolver com alguém, acho que deve ser comun esse medo, acabei de lembrar de algo, eu comecei sentir recentemente um certo desconforto em minhas relações sexuais, será que devo estar perdido em minha sexualidade ou sempre fico lembrando e lembrando da pele dela na minha?.
Eu fico confuso demais com tudo isso.
News Meus melhores e uma amiga,estão enventando de se vestir de meia-calça e tirar fotos sexys, já fiz isso incrivelmente é divertido, não sinto medo ou vergonha de ser, eu mesmo.
Acho que isso foi interessante de se falar.
Espero que todos estejam bem, eu realmente espero.
submitted by IkenakTaog to u/IkenakTaog [link] [comments]


El loco amor entre Xuxa y Pelé - YouTube XUXA FALA DE SEU NAMORO COM PELÉ E COM AIRTON SENNA PEDI A MINHA VIZINHA EM NAMORO! - YouTube Pele Na Pele (Clipe Oficial) - Nosso Sentimento - YouTube Xuxa Detona namoro com Pelé, era 'traída de Cabo a Rabo' TROLLANDO A NAMORADA!!!  Ft. Pelé MilFlow e Manoela Dias Xuxa Fala de Pelé - Planeta Xuxa Dia dos Namorados - 2001 Gal Costa  A Pele do Futuro Ao Vivo (Show Completo) - YouTube FREE dos 25K!! c/ Pelé MilFlows Gastando a NAMORADA! [+18]

Pelé: Namoro com Xuxa foi amizade colorida - Cidadeverde.com

  1. El loco amor entre Xuxa y Pelé - YouTube
  2. XUXA FALA DE SEU NAMORO COM PELÉ E COM AIRTON SENNA
  3. PEDI A MINHA VIZINHA EM NAMORO! - YouTube
  4. Pele Na Pele (Clipe Oficial) - Nosso Sentimento - YouTube
  5. Xuxa Detona namoro com Pelé, era 'traída de Cabo a Rabo'
  6. TROLLANDO A NAMORADA!!! Ft. Pelé MilFlow e Manoela Dias
  7. Xuxa Fala de Pelé - Planeta Xuxa Dia dos Namorados - 2001
  8. Gal Costa A Pele do Futuro Ao Vivo (Show Completo) - YouTube
  9. FREE dos 25K!! c/ Pelé MilFlows Gastando a NAMORADA! [+18]

#BiscoitoFino #GalCosta #APeledoFuturo A Pele do Futuro Ao Vivo foi registrado em março de 2019, durante duas apresentações na Casa Natura Musical (SP). O sh... 50+ videos Play all Mix - XUXA FALA DE SEU NAMORO COM PELÉ E COM AIRTON SENNA YouTube; Quigley Down Under YouTube Movies. 1990 · Action & Adventure; 1:59:57. Mike Tyson ... No Planeta Xuxa especial de dia dos namorados, a Rainha estava falando sobre namoro com um casal e acabou falando também do Rei Pelé, com quem namorou na década de 80. A apresentadora Xuxa meneghel deu uma entrevista a o canal do YouTuber Matheus Massafera. Ela participou da brincadeira do 'Eu Nuca' apresentadora revelou qu... 'Era repugnante. Sin dudas, la cosa más fea que vi en mi vida'.😳😳 La insólita confesión de Xuxa sobre la parte más fea del cuerpo de Pelé es sólo una pequeña... TROLLANDO MINHA NAMORADA E DEU MERDA - Fim do namoro 😭 [ JHEFFERSON RODRIGUEZ ] - Duration: 7:09. Jhefferson Rodriguez 1,540,035 views. 7:09. MC PELÉ REI DO FLOW ! HD - Duration: 12:55. Dijos doces- https://www.instagram.com/dijosdoces/?hl=pt-br Canal da Alannis - https://youtu.be/izjQxv2u_W8 SE INSCREVA NO CANAL !!! Instagram: https://www.i... Ouça o novo àlbum 'Coração Bandido' via streaming: http://smarturl.it/CoracaoBandido _____ Música: Pele na Pele A... ‹ DESLIKE É LIXO › Instagram: https://www.instagram.com/magnomoreno/ Twitter: https://twitter.com/MagnoMorenoo Snapchat: @figmorenox Facebook: Magno ...